Pe. Francisco José Lemes Gonçalves

Abrimos o Ano Civil de 2020 com a Solenidade de Maria Santíssima, Mãe de Deus, encerrando assim o que chamamos de Oitava do Natal. O oitavo dia, dia sem ocaso em que Cristo, Sol Nascente nos veio visitar e habitou entre nós.

Esta solenidade nos leva a refletir: 1º – Maria, Mãe de Deus, ou seja, Mãe da segunda Pessoa da Santíssima Trindade, Jesus Cristo, que foi gerado pelo poder do Espírito Santo; 2º – Maria faz parte da obra salvífica de Deus em nosso favor, seu sim abriu-nos as portas do paraíso, por isso, na ladainha lhe chamamos Porta do Céu; 3º – A  Nova Eva, mãe dos viventes, que aos pés da Cruz será nos dada por Mãe e ali nos gera para a vida que Cristo no-la dá livremente por amor ao Pai para nossa Salvação.

Olhar para Maria

No primeiro dia do ano somos chamados o olhar para Maria que em seus braços nos mostra Jesus. No quadro de graças da Mãe e Rainha e assim se apresenta e de maneira como que nos quer entregar Jesus a todos que visitarem seus Santuários de Schoenstatt espalhados no mundo.

Suas pernas estão ocultas pelo mistério da nuvem, pois ao tomar seu Divino Filho nos braços, fazemos como Ela, levaremos a tantas casas que de Jesus precisar, como fizera com Isabel; fazendo os corações pular de alegria! Ao olhar para Maria no primeiro dia do ano temos a certeza de que ela nos protegerá, envolvendo-nos sempre com o seu véu quando o pecado nos assaltar e nos deixar nus da graça de Deus; por isso a invocamos como Mãe da Divina Graça!

Mãe e educadora

Confiamos a ela, como Mãe e Educadora, cada dia e hora deste novo ano. Deus lhe confiou os cuidados de seu Divino Filho e a fez sua companheira na missão; assim também nós devemos a ela nos confiar. Dê a Mãe de Deus plenos poderes em sua vida e ela vai lhe moldando dia a dia na imagem de Jesus no qual o Pai encontra toda a sua complacência.

Nascer Cristo nestes tempos

Façamos valer o que nosso Pai e Fundador dizia numa alocução de 1963… levemos Maria ao mundo e lhe damos oportunidade para fazer nascer Cristo nestes nossos tempos. Estamos no Ano Jubilar dos 70 anos da Campanha da Mãe Peregrina, seja esta grande campanha a oportunidade de levá-la as famílias, comércios, doentes, jovens, infanto, paróquias e dioceses.

Levando-a na sua capelinha de graças nas famílias se estabelecerá e como Mãe de Deus mostrará Jesus, Caminha, Verdade e Vida e nestes lugares aonde as trevas são densas, erguera Jesus qual farol que dissipará as trevas, fazendo reinar a Luz.

Com nosso Pai e Fundador, o Pe. José Kentenich, saudemos a Mãe de Deus e que nos também nos de a sua saudação! Como ele rezava: “Mãe e Rainha eu te saúdo, saúda-me tu também”!