No dia 1 de março, em uma tarde especial no Santuário da Vila Mariana , dando início às atividades do ano da Campanha da Mãe Peregrina da Arquidiocese de São Paulo, região Sé, Padre Afonso Wosny ressaltou a importância da atuação de cada um de nós, neste ano do laicato. Como leigos devemos assumir nossa identidade cristã, vocação e missão, na Igreja e fora dela, em nossa vida social, nossas atitudes, nosso jeito de ser e estar no mundo, buscando levar ao outro o rosto de Maria, os ensinamentos de Jesus.

Nosso pai e fundador, Pe. Kentenich, um homem à frente de seu tempo, acreditava nos leigos. O Movimento Apostólico de Schoenstatt abriu espaço para os casais, mães, jovens, homens. Hoje, abrange comunidades para sacerdotes, consagrados e leigos que tiveram sua origem na Aliança de Amor com Maria selada em 18 de outubro de 1914.

Pe. Afonso ressaltou alguns traços importantes da vida do Pe Kentenich, algumas características psicológicas e espirituais do fundador que o impulsionaram na criação da Obra de Schoenstatt.

Citando apenas algumas delas, temos a experiência pessoal de Pe. Kentenich, ainda criança, de entregar-se e se deixar educar por Maria. A grande figura, a grande educadora para o Pe. Kentenich foi Maria. Maria educa, Maria transforma, e, se  nos permitirmos seguir esta educação, poderemos vir a ser a melhor versão de nós mesmos, aquilo que Deus planejou para cada um de nós. Assim foi a vida do Pe Kentenich, ele foi pai, ele foi educador.

A mensagem que o Pe Kentenick quis e quer nos ensinar é que Deus é Pai. Deus está no centro, assim sendo a Obra de Schoenstatt é um movimento mariano patrocêntrico.

Pe. Kentenich viveu a experiência da fé prática na divina providência. Sua vida foi pautada em seu maior desejo: de ser instrumento. Por isso mantinha a atenção até nos pequenos  acontecimentos de sua vida, buscando sinais da presença de Deus. Ele deixou-se conduzir pela Divina Providência, seu modo de agir e reagir estava sempre voltado para o alto.

Neste ano do Padre Kentenich, que sua fisionomia possa ser perpetuada por cada um de nós, filhos da família Schoenstattiana, anunciando seu pensamento.

E assim, cheios de alegria e ardor missionário, saímos de lá certos de que devemos ser anunciadores do carisma do nosso fundador, seguindo o lema: “Unidos ao Pai e Profeta, por uma nova terra mariana.” Esta tarde foi um importante combustível para que cada um de nós possa iniciar o ano com força, coragem e fé e se sentir entusiasmado e renovado no espírito da Missão.

 

Por: Mirtes Carneiro e Mariza Giosa