Pe. Emerson José da Silva SAC– Muitas são as razões para tal escolha, dentre essas, destaco algumas. Maio é considerado o tempo das flores no hemisfério norte, pois é quando a natureza, tendo passado pelo frio do inverno, começa a desabrochar novamente, trazendo dias mais agradáveis e alegres, até por conta da presença do Sol que nasce mais cedo e se põe mais tarde.

Este é o mês da esperança e promessa do Sol que virá com mais intensidade no verão que se aproxima. Também, é neste período que, em vários países do mundo, se comemora o Dia das Mães, com variação do dia dependendo do país, mas sempre neste mês. E uma outra razão, é a continuidade dada a tradições antigas (grega e romana) que realizavam jogos florais para homenagear deusas da fecundidade e da vegetação, símbolos da religiosidade popular.

Diante dessas motivações, e tendo por base que é do hemisfério norte que nos chega tal devoção, compreende-se Maria como aquela, que assim como a Primavera, vem florescer na vida do povo, fazer brotar a vida nova, anunciando o Sol Maior, o próprio Jesus Cristo, que ressurgirá dos tempos frios e escuros vividos no inverno e da espera pela completude do mistério pascal. Ela é a Mãe da promessa que confia na Aliança que Deus fez com seu povo, e espera de tal forma, que dá ao mundo a Esperança em Pessoa. Sendo Mãe desta Promessa, se torna também a Mãe de toda a humanidade, que sempre atenta aos sinais de seu povo, aponta o melhor caminho a ser seguido: “Fazei tudo o que Ele vos disser” (Jo 2,5).

O Catecismo da Igreja Católica, no parágrafo 971, a respeito da devoção à Maria Santíssima afirma:

“Todas as gerações me chamarão bem-aventurada” (Lc 1,48): “A piedade da Igreja para com a Santíssima Virgem é intrínseca ao culto cristão”. A Santíssima Virgem “é legitimamente honrada com um culto especial pela Igreja. Com efeito, desde remotíssimos tempos, a bem-aventurada Virgem é venerada sob o título de ‘Mãe de Deus’, sob cuja proteção os fiéis se refugiam suplicantes em todos os seus perigos e necessidades (…) Este culto (…) embora inteiramente singular, difere essencialmente do culto de adoração que se presta ao Verbo encanado e igualmente ao Pai e ao Espírito Santo, mas o favorece poderosamente”; este culto encontra sua expressão nas festas litúrgicas dedicadas à Mãe de Deus e na oração mariana, tal como o Santo Rosário, “resumo de todo o Evangelho”.

No mês de maio, mês dedicado a Nossa Senhora, pela piedade cristã, é um convite para voltarmos nosso olhar a esta Mãe querida para pedir-lhe que abra as mãos maternas em bênçãos de carinho sobre nossos passos nesta difícil caminhada desta nossa vida.