Maria na Bíblia: poucas palavras, muito conteúdo.

Rafael e Giciane Copello – Maria foi uma mulher do silêncio. No entanto, nas poucas vezes em que seu silêncio é quebrado, há muito que se aprender. Queremos refletir sobre o que Ela pode nos ensinar na oração.

A primeira fala de Maria nos evangelhos é uma pergunta:

“Como se fará isso, pois não conheço homem algum?” (Lc 1, 34)

Maria não duvida de Deus, apenas quer entender melhor. Mais tarde, quando perde Jesus na peregrinação a Jerusalém, ela também questiona:

“Filho, porque procedeste assim conosco? Eis que eu e teu pai te procurávamos cheios de aflição” (Lc 2, 48)

Nossa Senhora nos ensina, nos momentos de dúvida, de sombras, de confusão, a perguntar: Senhor como acontece isso? O que queres me dizer? O que queres me ensinar? O que devo aprender?

“Então disse Maria: Eis aqui a serva do Senhor, faça-se em mim segundo a tua palavra” (Lc 1, 38)

SIM! Na nossa oração deve haver sempre um ‘SIM PAI’: que se faça a tua vontade, pois a tua vontade é maior e melhor que a minha. Que o SIM à vontade de Deus esteja sempre presente quando rezarmos.

Chegamos ao Magnificat, onde a Mãe louva e agradece a Deus, nos lembrando de que louvor e gratidão devem sempre fazer parte da nossa oração. O Magnificat é o hino perfeito de ação de graças.

Nas Bodas de Caná, Maria fala por uma última vez nos Evangelhos.

“Eles não têm mais vinho” (Jo 2, 3)

Oração de súplica: não ter vergonha de pedir, Deus é misericórdia. Orar não somente por nós, mas interceder pelos que precisam. Pedir e suplicar à Mãe e Rainha, sem nos esquecer de que ela é a Medianeira de Todas as Graças.

“Fazei tudo o que Ele vos disser” (Jo 2, 5)

Maria aqui nos leva novamente à escola do silêncio. Rezar é também silenciar para ouvir. Ouvir o que Deus Pai e Deus Filho, através do Espírito Santo, nos sussurram em resposta e realizar tudo o que Ele nos disser.

No momento de maior dor de Nossa Senhora não há uma palavra sequer. Ao pé da cruz ela silenciou e nos deu a lição mais bonita e profunda que podemos levar para nossa vida de oração, nas horas de dor e angústia: cala-te, silencia e confia.

Fonte: uniaodefamilias.com.br