2º dia

O Santuário, este lugar onde o céu toca a terra, brilha para todos a luz que ilumina os passos e conduz até Belém para um profundo encontro do Deus Menino. Ao chegar ao Santuário, somos convidados a criar encontros de gratidão, de reconciliação e de partilha. “Deus se fez homem, nascendo como criança.  E nós devemos tornar-nos divinizados pelo caminho do renascimento espiritual e não somente nas quatro semanas do Advento, mas até o fim de nossa vida”.  (Pe. José Kentenich, 28 de novembro de 1937).

“Se a Mãe de Deus puder pronunciar, novamente, através de nós o seu Fiat e romper as trevas do tempo de hoje, qual luz radiosa, então Schoenstatt se tornará um farol resplandecente, e pela Aliança de Amor o mundo encontrará a volta ao coração de Deus Pai de infinita misericórdia, a volta ao Filho e ao Espírito Santo”

[1]

Queremos iluminar esta caminhada do Tempo do Advento com a luz da esperança. O Papa Francisco nos fala sobre como Maria nos ensina como Mãe, citando o exemplo de sua coragem. “Maria atravessou mais de uma noite no seu caminho de mãe. Desde a primeira menção na história dos evangelhos, a sua figura destaca-se como se fosse o personagem de um drama. Não foi simples responder com um ‘sim’ ao convite do anjo: e, no entanto, ainda na flor da idade, ela respondeu com coragem, não obstante nada soubesse do destino que a esperava. Maria, naquele instante, parece uma das muitas mães do nosso mundo, corajosas até ao extremo quando se trata de acolher no próprio ventre a história de um novo homem que nasce.” (Papa Francisco, 3 de maio de 2017).

Caminhamos com Maria José, seu peregrinar pelas ruas de Belém em busca de um lugar para dar à luz ao Filho divino, é uma escola de fé. Seu testemunho de humildade, de simplicidade é escola de confiante oração. Deus sempre encontra uma forma de realizar o seu plano de salvação apesar de todos os males que podem nos atingir, apesar de todas as incompreensões que a vida nos apresenta.

[1] Vem Senhor Jesus pág 15