Juliana Dorigo- Hoje a Igreja faz memória da apresentação da Virgem Maria no Templo de Jerusalém. No século VI já se celebrava esta Festa no Oriente. Em 1372, o Papa Gregório XI a introduziu em Avignon e, posteriormente, o Papa Sisto V a estendeu a toda a Igreja. Uma história que não está presente na bíblia, mas é relatada no manuscrito não canônico, proto-evangelho de Tiago.

O manuscrito conta que Joaquim e Ana, por muito tempo não tinham filhos, até que nasceu Maria. Quando a menina completou 3 anos de idade, Joaquim e Ana a levaram para o Templo do Senhor. “Subiram ao Templo do Senhor. Então o sacerdote a recebeu, a beijou e abençoou-a. E disse [à Maria]: ¨O Senhor engrandeceu o teu nome diante de todas as gerações. No final dos tempos, manifestará em ti Sua redenção aos filhos de Israel¨. De acordo com a história, Maria ficou no Templo até os 12 anos, quando foi prometida a José.

Totalmente de Deus

A apresentação de Maria, na Liturgia das Horas: “A consagração que Maria fez a Deus de si mesma desde a infância, movida pelo Espírito Santo, de cuja graça ficara plena na sua imaculada conceição… Com sua apresentação no Templo, Maria quer fazer explícito aquilo que já estava presente desde a sua concepção: que Ela era totalmente de Deus…”

Eu me ofereço todo a vós

“Eis aqui a serva do Senhor! Faça-se em mim segundo a tua palavra.” (Lc 1,38), com essas palavras, Maria nos ensina sobre a confiança na Divina Providência. Quando nos consagramos a Mãe de Deus, confiamos que ela está intercedendo por cada um de nós junto de seu Filho Jesus.

Nós a recebemos como Mãe, e por isso, como Filhos amados que somos, devemos aprender com Ela a nos consagrar, entregar em suas mãos as nossas dificuldades e nossas alegrias, rezando:

“Ó minha Senhora, ó minha Mãe, eu me ofereço todo a vós e, em prova da minha devoção para convosco, vos consagro neste dia os meus olhos, meus ouvidos, minha boca, meu coração e inteiramente todo o meu ser. E porque assim sou vosso(a), ó incomparável Mãe, guardai-me e defendei-me como coisa e propriedade vossa. Amém!”