Vós sois a luz do mundo

7 de maio de 2016

“Vós sois o sal da terra… Vós sois a luz do mundo.”

Pe. Nicolás Schwizer – O Senhor dirige estas palavras a todos os cristãos, a cada um de nós.  Somos chamados a ser testemunhas de nosso cristianismo diante de todos os homens neste mundo. E este testemunho deve se realizar nem tanto por meio de muitas palavras, mas principalmente por meio de nossas ações e obras. Porque o mundo moderno quer que as palavras se traduzam em fatos; os princípios em efeitos; a fé e a caridade em obras.

O mundo atual não se converterá a Deus, se não encontrar em nós, em nossas vidas cristãs, um sinal e testemunho da presença de Deus. Sabemos que depois de sua ascensão, Cristo tem uma única aparição: por meio de nós. O único rosto que Ele pode mostrar aos nossos contemporâneos, para chamá-los e convertê-los, é o nosso, o de nossas famílias, o de nossas comunidades e grupos.

Então, como podemos ser luz do mundo? Como podemos dar testemunho de Cristo no meio dos homens? O sinal característico do cristão autêntico é o amor, o amor a Deus e o amor aos irmãos. Seremos sal da terra, luz do mundo na medida em que formos testemunhas fieis do amor sem limites de Jesus Cristo, em nossa própria vida.

É a única prova convincente de que Ele continua vivo: que nossa comunidade cristã, nossas famílias, cada um de nós, viva com tanto amor e entrega serviçal, que os demais sintam vontade de se unirem a nós. Que eles só possam explicar nossa entrega cristã, admitindo que Cristo torna-se vivo de novo em nós.

E sabemos: O amor ao próximo é amor a Deus. Porque, a partir da encarnação de Cristo, o segundo mandamento é semelhante, é igual ao primeiro. Não separemos, pois o amor a Deus do amor aos irmãos!

São João Crisóstomo nos explica: “Quem aceita um dos dois preceitos, observa também o outro. Nem uma alma sem corpo, nem um corpo sem alma podem constituir um homem. Assim, pois, não se pode falar de amor a Deus, se não se tem como companheiro o amor ao próximo”.

Quando, por isso, amamos a nossos irmãos, estamos amando a Deus de um modo autêntico e direto. E, além disso, a prova de que amamos a Deus é que amamos uns aos outros. Cristo revelou que temos as mesmas relações com Deus como a temos com qualquer de nossos irmãos. Estamos tão próximo a Deus, como de qualquer de nossos próximos.

São João nos explica em sua primeira carta: “Quem diz que ama a um Deus, a quem não vê, sem amar a seu irmão, a quem vê, é um mentiroso”. O amor a Deus dá margem para muitas ilusões, a muita imaginação. Mas, o amor aos nossos irmãos é extraordinariamente realista. Podemos saber em qualquer momento quando o praticamos. Assim nosso amor ao próximo é nossa maneira concreta de amar a Deus. O próximo é Cristo ao alcance de nosso amor. Não amamos verdadeiramente a Cristo, se não o amamos no irmão.

O amor fraterno é o grande sinal do cristão, o único testemunho que outros aceitam, o único convite convincente para os que ainda não creem. Queridos irmãos, tratemos de aprofundar em nós esse amor a Deus por meio do amor aos irmãos. Que ele nos faça descobrir e superar todos os obstáculos para que esse amor seja cada vez mais pleno. Assim nossa vida será cada vez mais sal da terra e luz do mundo.

Perguntas para a reflexão

1. Como é nossa comunidade familiar?

2. A cordialidade caracteriza as nossas relações?

3. Sou uma luz de Cristo… acesa?

Se desejar se inscrever, comentar o texto ou dar seu testemunho escreva para: pn.reflexiones@gmail.com