Vocação familiar: expressão da Aliança de Amor

13 de agosto de 2015

Fundamento da sociedade e da Igreja.

casal

“Que a Mãe de Deus participe de todos os momentos da nossa vida.”

Karen Bueno – “Para nós em Schoenstatt o amor conjugal recebe uma nova conotação de cor e de forma, devido ao seu atrelamento à Aliança de Amor. A nossa aliança de amor conjugal deve ser expressão da Aliança de Amor com a Mãe de Deus, com Jesus e com o Deus Trino. Se a concebermos como um único circuito grandioso de amor, sempre estaremos no caminho certo”, afirma o Pe. José Kentenich (livro Às segundas-feiras ao anoitecer – Diálogos com famílias, março de 1961).

Na segunda semana de agosto a Igreja celebra a vocação paternal, familiar, o dom de ser uma Igreja doméstica. A família é o fundamento da vida cristã, pois é nela que se aprendem os traços da fé, onde são dados os primeiros passos e é berço das mais variadas vocações inspiradas pelo Espírito Santo. Pe. Kentenich reconhece a valoriza as famílias, e a elas dedica muitas horas de seu apostolado. “Deus elevou o Matrimônio a sacramento para que assim tudo esteja assegurado e protegido, e ninguém possa penetrar nesse lar caloroso, e nem dele sair. A consciência de responsabilidade é aprofundada pelo fato de que Deus confia aos próprios pais a tarefa de educar seus filhos” (Pe. Kentenich, Pedagogia Mariana do Matrimônio).

Nesta semana da vocação familiar, conversamos com o casal Caroline Audibert e Jair Henrique Junior, de Londrina/PR, do XXIV Curso da União de Famílias de Schoenstatt. Eles vivem os ideais de Schoenstatt desde a juventude, e agora juntos buscam realizar as palavras do Pai e Fundador: “Uma família schoenstattiana é uma família que se empenha, pela força da Aliança de Amor com a Mãe e Rainha Três Vezes Admirável de Schoenstatt, em realizar de uma maneira atualizada o ideal da Sagrada Família de Nazaré”. Acompanhe:

Atualmente, ainda vale a pena investir em um casamento sacramental? Por quê?

Com certeza. O casamento sacramental é uma opção de compromisso que envolve Deus. Não é só uma escolha natural, mas sobrenatural, e isso faz toda a diferença. Faz diferença na vontade de ajudar o outro em seu processo de santificação, na busca por melhorar nossa postura, nossos hábitos e nossos vínculos aperfeiçoando a cada dia o relacionamento que temos, faz diferença na forma de encarar os problemas e dificuldades como maneiras de nos tornarmos melhores, etc. Poderíamos citar muito mais coisas que envolvem a beleza de um casamento sacramental, mas, respondendo objetivamente essa questão, é necessário evidenciar que não há “um tempo” para valer a pena esse tipo de aliança de amor. Hoje tanto quanto ontem vale a pena! Não há nada de retrógrado em desfrutar do companheirismo e a vida que brota de um relacionamento bem cultivado todos os dias. Talvez essa seja um caminho para a tão sonhada felicidade que podemos conquistar.

Qual é a missão da família?

Quando entendemos que a vocação principal da pessoa humana é o amor, ou seja, que Deus nos criou para AMARMOS, conseguimos visualizar a missão da família. O matrimônio cristão é um caminho pelo qual muitos são chamados a exercitar o amor e ao exercitá-lo chegamos mais perto da santidade. A família cristã, que tem por modelo a família de Nazaré, cresce como uma comunidade de vida e amor, tendo o poder de propagar a caridade e a bondade.

Como saber se tenho vocação para o matrimônio?

Bom… conhecer sua vocação nunca é fácil. É necessário estar aberto à vontade de Deus e buscar compreendê-la. Entender quem somos, nossa missão e o que Deus quer de nós são exercícios que praticamos a vida toda, que exigem uma caminhada de reflexão e auto-observação. O que é certo, para nós cristãos, é que ninguém veio ao mundo por acaso. Todos temos nossa vocação e um plano de salvação. O chamado à vocação do matrimônio é algo que acontece, e que quando estamos com o coração aberto, podemos sentir. Seus sonhos, seus planos para o futuro, a sua história, são todos sinais que ajudam nessa descoberta.

Em que a Aliança de Amor os ajudou na descoberta vocacional?

A Aliança de Amor é um convite para que a Mãe de Deus participe de todos os momentos da nossa vida e nos guie pela nossa educação. Quando selamos uma Aliança de Amor com Maria, confirmamos nosso batismo e entregamos nas mãos de Deus nossa vida e nosso futuro, acreditando que ele age por meio dos acontecimentos. Assim entregamos à Mãe e ao seu Filho também a nossa vocação. Essa atitude nos faz buscar sempre entender o que Deus espera de nós. Faz-nos exercitar nossa dimensão espiritual e tentar unir fé e vida. Tudo isso interfere em nossa descoberta vocacional. Ao procurarmos cumprir as exigências dessa Aliança, como sermos fiéis em nossos deveres, fazermos tudo bem feito, oferecermos nossos esforços, e por que não, nossas conquistas, ao Capital de Graças, buscarmos uma vida de oração regrada e constante, precisamos ficar atentos ao que acontece em nossos dias. Isso pode aumentar a abertura que damos a Deus para que ele haja em nossas vidas, assim como nos deixar mais sensíveis para ouvirmos seus chamados.