Uma única Família em qualquer lugar do mundo

16 de fevereiro de 2015

Schoenstatt é uma Obra Internacional.

familiaKaren Bueno – A tecnologia, quando bem utilizada, pode romper fronteiras e aproximar as pessoas. Prova disso é o casal Fábio e Vanessa Weizenmann, do XXII Curso da União de Famílias de Schoenstatt da região brasileira. Eles moram há quase um ano em White Plains, uma cidade próxima à Nova York nos Estados Unidos.

Mesmo longe do Brasil Tabor, eles mantêm contato com seus irmãos de curso e participam da vida da comunidade. Morando num país em que o Pe. Kentenich viveu por 14 anos, experimentam sua presença paterna neste solo, uma das características marcantes do “Schoenstatt americano”.

Conheça um pouco dessa experiência do casal Weizenmann e da pequena Isabela, que compartilham o que descobriram até agora sobre a Obra de Schoenstatt no norte da América:

Por que foram morar nos EUA?

Sempre tivemos vontade de ter uma experiência internacional a fim de vivermos outras culturas diferentes da brasileira. Desta maneira, surgiu uma oportunidade de transferência no trabalho do Fábio e assim decidimos nos mudar para os EUA e aqui estamos desde 28 de fevereiro de 2014.

Onde moram atualmente? Tem um Santuário por perto?

Estamos morando em uma cidade chamada White Plains, que fica a cerca de 30 minutos da cidade de Nova York. Há um Santuário ao Sul da Ilha de Manhattan, ele fica em um local chamado Staten Island – leva cerca de uma hora e meia de carro da nossa casa até lá. Quando a oportunidade de se mudar do Brasil começou a se materializar, fizemos uma exigência à Mãe de Deus: pedimos que ela nos enviasse a um lugar onde houvesse um Santuário por perto. E assim ela o fez, nós não quisemos nos afastar dela, e ela também não quis ficar longe de nós.

Como mantêm contato com seu Curso morando em outro país?

Graças à tecnologia conseguimos manter contato com nosso curso através do Skype. Assim, participamos das reuniões mensais e dos encontros de final de semana. Obviamente sentimos falta da presença física dos nossos irmãos de curso, mas a direção da União de Famílias, em um ato de grande caridade conosco e sabendo que temos a pretensão de voltar para o Brasil, permitiu que pudéssemos acompanhar nosso curso à distância. Hoje podemos testemunhar que o contato, mesmo que virtual, com nossos irmãos tem sido combustível para nossa vida por aqui, pois podemos continuar experimentando a vida comunitária enquanto nos mantemos vinculados ao Movimento no Brasil.

O que os senhores observam de diferença e de semelhança entre o Schoenstatt brasileiro e o Schoenstatt estadunidense?

Os filhos de Schoenstatt são facilmente reconhecidos entre si, pois estão unidos em Aliança de Amor. Apesar de termos línguas e costumes diferentes, notamos que há uma grande semelhança quando estamos conversando: somos filhos da Igreja, abrigados em nossa Mãe Três Vezes Admirável, caminhando nos passos de nosso Pai e Fundador e vinculados ao Santuário. Isso é o que nos assemelha e é claramente observado naqueles que participam do Movimento em qualquer parte do mundo. Somos um Movimento Internacional!

Uma das grandes diferenças que nos chamou a atenção é que Schoenstatt nos Estados Unidos, especialmente aqui em Nova York, é basicamente formado por pessoas de países Latinos. No início esperávamos ter contato com os americanos, mas aos poucos notamos que Schoenstatt em Nova York é bastante latino.

Quais correntes são fortes aí?

Observamos basicamente três grandes correntes aqui nos EUA, a primeira é a forte vinculação ao nosso Pai Fundador. Pe. Kentenich esteve no exílio em Milwaukee nos EUA e, a partir dali, o Movimento floresceu e se espalhou pelo país – tivemos a oportunidade de passar três dias em Milwaukee e seguir os passos do Pai naquele local, foi simplesmente maravilhoso, pudemos de fato sentir a presença do Pai. A segunda corrente é o Santuário-Lar, há uma grande vinculação ao Santuário-Lar como local de graças para a família, este também é um fruto do exílio de nosso Pai em Milwaukee. A terceira corrente, ainda um pouco em fase inicial, é a possível conquista de um Santuário de Schoenstatt para a cidade de Nova York. Neste caso os desafios são imensos devido à grande necessidade de recursos financeiros para erigir um Santuário na capital do mundo. Muitas contribuições ao Capital de Graças serão necessárias.

O que podem levar de contribuição para a Obra na América do Norte?

Sabemos que estamos aqui não apenas por uma transferência de trabalho, mas também por uma missão que nos foi confiada. Acreditamos que podemos ajudar muitas famílias, especialmente aquelas que recebem a Imagem Peregrina e que gostariam de conhecer mais sobre o Movimento. Aos poucos, notamos que esta é a missão que está batendo à nossa porta. Além disso, estamos à disposição para o Movimento naquilo que precisarem de nós. Como dizia o nosso Pai e Fundador: “Tudo por Schoenstatt! Schoenstatt para a Igreja. A Igreja para o Deus Trino!”.