Para conhecer melhor o Método Billings

13 de abril de 2015

Compreendendo um pedido da Igreja e do Pai e Fundador.

uniao-de-familiasKaren Bueno – A União de Famílias de Schoenstatt promove neste sábado, dia 11 de abril, a Jornada de sensibilização para o uso do Método Billings de planejamento familiar. 14 casais da União se reúnem à sombra do Santuário de Atibaia/SP, na Casa São Miguel Arcanjo, para um dia inteiro de estudo e aprofundamento no tema.

“Realizamos essa Jornada, em primeiro lugar, porque é o que a Igreja nos pede como casados, para vivermos em harmonia conjugal utilizando o planejamento familiar natural. Também pelo fato de que utilizar os métodos contraceptivos naturais é uma das exigências da União de Famílias, então vimos necessidade de esclarecer, de explicar porque a Igreja pede isso e orientar para seu uso”, diz Ana Beatriz Suzan, do XIII Curso da União.

Maria Inês Teixeira, do II Curso, recorda que o uso dos métodos naturais é um pedido do Pe. José Kentenich desde o começo da Obra das Famílias de Schoenstatt: “Anos atrás ainda não se falava do Método Billings, mas eles conheciam outros métodos naturais. Como a missão do Fundador é nossa herança, nós temos que tornar vivo seu pedido”.

O Método Billings não é recente, foi desenvolvido na década de 50, mas, como explica Inês, “ficava muito nas encíclicas e não chegava às pessoas”. Trata-se do método natural mais eficiente – tem 99% de eficácia quando utilizado corretamente – por isso o mais indicado para quem deseja ter um matrimônio aberto à vida.

“Investir nesse apostolado é uma resposta que queremos dar à sociedade, como União de Famílias. Nós acreditamos que é urgente falar sobre ele, especialmente para quem deseja ter uma vida conjugal coerente com o sacramento do matrimônio”, afirma Ana Suzan. “Além do mais, ele responde ao nosso ideal do território brasileiro, que é ser ‘Família Santa do Pai, Tabor para o Mundo’. A santidade passa, também, pelo uso dos métodos naturais, se queremos ser Tabor e mostrar essa beleza temos de viver isso”, complementa Maria Inês.

Um método que une

A Jornada é conduzida pelo casal Marcos e Fabiana Azambuja, que são missionários da Comunidade Canção Nova. Eles começam o estudo fazendo uma análise da sociedade presente, tentando entender como o ser humano se relaciona atualmente. Num segundo momento, se aprofundam na Encíclica Humanae Vitae, do Papa Paulo VI, para compreender o que a Igreja diz sobre a sexualidade, a questão da natalidade e a regulação da vida. Mais tarde o tema trata da sexualidade dentro do casamento até, por fim, explicar o que é o Método Billings, para que serve e como utilizá-lo.

Fabiana explica que o Método Billings baseia-se no autoconhecimento do corpo humano: “É preciso que o esposo e a esposa tenham conhecimento do próprio corpo, porque não é algo que divide o casal, mas os une. Os dois juntos, se conhecendo, vão combinando a sua fertilidade e podem decidir se querem ou não transmitir a vida”.

Por que utilizar esse método?

“Os benefícios para a família são muitos – diz Fabiana Azambuja – o primeiro deles é que o homem e a mulher, o esposo e a esposa, reconhecem o seu corpo, o dom da sua fertilidade e podem juntos combinar esse dom para transmitir a vida. Esse Método também patrocina o diálogo entre os casais, no que diz respeito à paternidade e à maternidade. A vida sexual desse casal é dinâmica, é renovada, assume um significado maior e também uma transcendência, não fica na parte puramente biológica; os casais vão entendendo, conforme o tempo vai passando, o significado do ato sexual”.

Para Fabiana, a Igreja é mãe e mestra em humanidade, então sempre orienta todos para serem plenamente homens e plenamente mulheres: “A Igreja se esforça por tudo aquilo que nos torna melhores homens e mulheres no sentido integral. Conhecer seu corpo e o corpo do parceiro – para se amar e amá-lo mais – vai te fazer bem. Como uma mãe quer o bem para o seu filho, a Igreja se esforça em promover aquilo que gera vida e pessoas melhores”.

Para conhecer mais

Fabiana comenta da importância de conhecer o Método Billings antes mesmo do casamento: “Um casal de namorados que queira assumir o matrimônio e queira utilizar o método para sua vida, tanto para espaçar como para engravidar, já precisa conhecê-lo antes, não tem como deixar para ver isso somente às vésperas do casamento”. E acrescenta: “Com uma orientação adequada, em seis meses a mulher consegue se conhecer e utilizar esse Método”.

Segundo Fabiana Azambuja, o reconhecimento da fertilidade da mulher pode iniciar logo na primeira ovulação, com o início da menstruação, então desde a puberdade a menina pode fazer o trabalho de autoconhecimento.

Quer saber mais? Para ter um acompanhamento adequado, são indicados os Centros de Planejamento Familiar, onde as pessoas podem buscar mais informações. Clique.

Conheça também o site da União de Famílias de Schoenstatt