Um sacerdote segundo o coração de Deus

8 de julho de 2015

Transparente do Pai.

JoseKentenich3

Ir. M. Nilza P. da Silva – O Papa Bento XVI escreve aos sacerdotes que, “Cura d’Ars, em seu tempo, soube transformar o coração e a vida de muitas pessoas, porque conseguiu fazê-las sentir o amor misericordioso do Senhor. Também hoje, é igualmente urgente o anúncio e o testemunho da verdade do Amor: Deus caritas est (1 Jo 4,8)”.¹

O coração do Pe. Kentenich é um Tabor, no qual muitos vivenciam o amor de Deus Pai e podem afirmar: “Deus é amor!” Seu coração sacerdotal atua além de seu tempo e de sua nação! Deus o fez reflexo de seu amor para milhares de pessoas. Por meio de seu amor sacerdotal, muitas pessoas, sacerdotes e leigos, realizam um encontro com Deus Pai. Seu sacerdócio é uma manifestação de Deus Amor que intervém e modifica a vida de muitas pessoas.

Pe. Dresbach, companheiro do Pe. Kentenich no Campo de Concentração de Dachau, revela que Pe. Kentenich era sempre capaz de ver e valorizar o positivo nas pessoas, mesmo em situações complicadas:

O Senhor Padre “vive nos corações e sabe de todos os problemas que eles carregam. Sabe sorrir e o faz muitas vezes, porém, nunca perdendo a profundidade. Sua pessoa sempre irradia uma luminosa alegria, como se percebe em poucos. (…) Com a alegria, ele pôde abrir corações e muitas vezes, bastava uma palavra sua, para produzir um efeito mágico nas pessoas (…)”

“Em Dachau, havia um sacerdote que reclamava de tudo, até daquilo que o Senhor Padre fazia. Certa vez, disse isso ao próprio Senhor Padre. Este lhe respondeu, do modo mais amigável possível, e lhe deu razão em tudo o que podia. Sempre que o via, o Senhor Padre lhe dirigia palavras bondosas. O amor acolhedor do Senhor Padre transformou esse sacerdote… É admirável como ele se adapta a cada um. Às vezes, com uma simples palavra, toca o coração de uma pessoa e a transforma totalmente.”²

Muito encontram o coração paternal de Deus, por meio do Pe. Kentenich, justamente quando vivenciaram seus limites e fracassos. O amor misericordioso de Deus parecia transbordar, por meio do sacerdócio do Pe. Kentenich, para preencher o vazio e o afastamento causados por faltas e pecados.

Ir. M. Annette Nailis narra um exemplo, entre tantos, dessa realidade feliz e transformadora: “Um sacerdote, quando estudante, era fiel à pessoa e Obra do Pe. Kentenich. Assim continuou também durante os primeiros anos de seu exílio. De repente, se distanciou e até afirmou, aos que conviviam com ele, que não era mais seu discípulo.

Quando Pe. Kentenich voltou, após quatorze anos de exílio, encontrou esse sacerdote desenganado pelos médicos e internado num hospital de outra cidade.

Então, Pe. Kentenich muitas vezes o procurou e dialogou com ele, por telefone. Conta a enfermeira que, pouco antes de sua morte, umas dessas ligações durou mais de uma hora. E o sacerdote faleceu tranqüilo e pacificamente!” ³

O coração sacerdotal do Pe. Kentenich facilita, para muitos, a entrega do próprio coração a Deus e o convívio familiar. Um pai de família, dos Estados Unidos, descreve e seu efeito dos encontros com o Pe. José Kentenich na vida de sua família:

Pe. Kentenich “tornou a nossa vida mais agradável. Ele era para nós um exemplo de bondade, tolerância e paciência. Levava uma vida silenciosa e nunca demonstrava antipatia. Nunca se queixava. Ele nos compreendia. Quanto mais o conhecíamos, tanto mais percebíamos a sua benevolência e a força magnética que ele irradiava. (Muitas vezes) não era necessário dizer nada (…) porque ele lia nossos pensamentos e abria o nosso coração (…) percebia o que estávamos precisando, naquele momento”³.¹

No atuar do amor de Deus em seu coração sacerdotal, em sua profunda vida de oraçao e união com Deus, se encontra a resposta à pergunta que alguém lhe fêz, ao terminar uma conversa: “Senhor Padre, como se explica, que a gente sempre se despede do senhor, melhor do que quando se chegou?”³.²

Obrigada Pe. José Kentenich pelos 100 anos de seu sacerdócio abençoado! Louvado seja Deus que nos revela de modo tão próximo o seu coração e amor de Pai, por meio do Pe. Kentenich.

Bibliografia:
¹ Papa Bento XVI, Carta aos Sacerdotes, 16.6.2009
² Luz e Trevas – Dachau – manuscrito – p. 109
³ NAILIS. M. Annette, Padre Kentenich – Como nós o conhecemos, Ed. Pallotti, p. 24
³.¹MONNERJAHN. Engelbert, P. José Kentenich Uma vida pela Igreja, Ed Pallotti, p. 303¹
³.² MONNERJAHN. Engelbert, P. José Kentenich Uma vida pela Igreja, Ed Pallotti, p. 239