Um encontro sobre o amor e a misericórdia na família

17 de maio de 2016

Amoris Laetitia e Ano Santo: Uma riqueza para se aprofundar.

liga de familiasMauro e Valquiria Galhiane/Karen Bueno – Neste domingo de Pentecostes, dia 15 de maio, a Liga de Família de Schoenstatt de Presidente Prudente/SP se reúne para o encontro regular do ramo. 12 casais, mais os filhos, se aprofundam na vivência do Ano Santo da Misericórdia e nas palavras do Papa Francisco, dirigidas às famílias, fecundando a vida matrimonial dos casais e a experiência de unidade que vivem no ramo.

A vivência de abertura retoma a solenidade de Pentecostes, se atentando para o atuar do Espírito Santo na vida diária das famílias. Os dons do Espírito são retratados pelo fogo, o ardor missionário que cada um quer levar para sua vida como sinal de transformação interior.

O encontro acontece em uma propriedade rural da cidade. Acolhidos em meio à natureza, a assessora da Liga na região, Ir. Bernadete Maria Ganz, fala sobre a exortação apostólica do Papa para as famílias, Amoris Laetitia. Ela resume o conteúdo e apresenta alguns pontos chave que o Santo Padre observa em seu documento. A reflexão é enriquecida com os comentários e experiências dos participantes, chegando à conclusão de que a exortação Amoris Laetitia é um grande presente do Papa, que precisa ser ainda mais estudada e praticada.

Durante a manhã os casais ainda se introduzem nas temáticas do Ano Santo, levando para a vida, como sinal concreto desse tempo santo, as obras de misericórdia corporais e espirituais.

Após o almoço, acompanham uma vivência sobre a nova imagem de Pai, de filho e de comunidade que o Pe. Kentenich testemunha depois do exílio, a partir de dezembro de 1965, portanto, há 50 anos. Os filhos – retoma a vivência – são considerados, segundo a concepção do Pai e Fundador, como miseráveis, porém dignos de misericórdia; o Bom Deus, segundo a nova concepção, é um Pai infinitamente misericordioso, que ama a todos apesar de suas debilidades pessoais; a nova comunidade é constituída por homens novos, que estão profundamente vinculados entre si e com o Pai, formando uma só unidade de corações.

A vivência culmina com um momento de arrependimento e perdão, de agradecimento e compromisso de fidelidade para os tempos novíssimos como casais e como Liga de Famílias.