Rainha, recebe a coroa!

10 de dezembro de 2015

Hoje é dia de recordar a coroação.

mae-e-rainhaKaren Bueno – No dia 10 de dezembro de 1939 a Mãe Três Vezes Admirável recebe em sua fronte a coroa no Santuário Original, essa que está presente até hoje e é igual em todos os Santuários filiais. Nesse dia a Família de Schoenstatt acompanha a solenidade junto ao Pai e Fundador e ele coroa a Mãe de Deus, dando-lhe o poder total sobre a história e o futuro da Obra. A partir daí surge uma corrente de coroação que é traço característico do Movimento Apostólico de Schoenstatt.

A primeira coroa oferecida à MTA, no início da Obra, é feita de madeira e a Mãe é coroada como Rainha dos Apóstolos. Em 1939, quando se completavam os 25 anos da Aliança de Amor, a Família de Schoenstatt oferece a nova coroa à Maria – a que está em sua fronte no Santuário Original – dando-lhe o título de Rainha Três Vezes Admirável de Schoenstatt.

A coroação em 1939 é um ato de gratidão pelos 25 anos do Movimento e também um sinal de confiança no poder régio da Mãe, pois nessa época inicia-se a Segunda Guerra Mundial. A intenção era oferecer essa coroa no dia 18 de outubro, data da fundação de Schoenstatt, mas, como o Pai Fundador estava na Suíça, a cerimônia é adiada para 10 de dezembro.

Por que em Schoenstatt se coroa tanto?

Desse dia em diante, tem início uma corrente de coroação na Obra de Schoenstatt, pelo mundo todo, que se estende até hoje. Pe. Kentenich conduz muitas conferências, nas quais explica a importância de se coroar Maria: “Que significa coroar a Mãe de Deus? Com isso não queremos dizer que ela é Rainha do mundo porque nós a coroamos, mas nós a coroamos porque ela é Rainha. Portanto, estamos ante um dever de coroação”.

Ir. M. Lúbia Bonfante[1] diz que é possível citar pelo menos quatro elementos que motivaram a corrente de coroação na Família de Schoenstatt:

A vida do Fundador: A primeira e mais importante motivação provém, sem dúvida, do próprio Pai e Fundador. Tudo o que surgiu em Schoenstatt, de uma forma ou de outra, passou por seu coração, é expressão de sua própria vida e de sua sabedoria pedagógica. Ele afirmou muitas vezes: “Schoenstatt é meu eu ampliado”.

A coroação de 1935: Esta coroação é muito marcante e inspiradora para a Obra, pois é justamente aí que a MTA recebe, pela primeira vez, uma coroa em sua fronte no Santuário Original.

O ideal Regina Ter Admirabilis: Um curso de Irmãs de Maria escolhe seu ideal em 1938: “Filia Regina”. Elas são as primeiras do Instituto a coroar a Mãe de Deus como Rainha, e procuram ornamentar todas as imagens da MTA com uma singela coroa. O Fundador se alegra com a proposta e promete a esse curso ajudá-lo a difundir essa corrente em toda Família de Schoenstatt.

2ª Guerra Mundial e jubileu da Obra: A situação política da Alemanha nos 25 anos da Obra de Schoenstatt é outro aspecto que fortaleceu a corrente de coroações. Com a perseguição nazista, a Família temia o pior para Schoenstatt. Coroar Nossa Senhora significa reconhecer o seu poder de Rainha sobre toda a Obra, e expressar a confiança sem reservas em seu cuidado maternal – e ela realmente se mostrou uma Rainha para Schoenstatt neste período de dificuldades.

Veja alguns exemplos históricos de coroação no Movimento de Schoenstatt:

– 2 de julho de 1942: Pe. Kentenich e os prisioneiros no Campo de Concentração de Dachau coroam a Mãe como Rainha do Campo de Concentração e Mãe do Pão – nessa época muitos prisioneiros morriam de fome ali.

– 18 de outubro de 1946: Pe. Kentenich e a Família de Schoenstatt coroam MTA como Rainha do Mundo.

– 20 de agosto de 1949: No Brasil, Pe. Kentenich coroa Maria como Rainha da Filialidade Heroica no Santuário de Santa Maria/RS.

– 10 de setembro de 1955: Diác. João Luiz Pozzobon coroa sua imagem como Rainha da Campanha da Mãe Peregrina de Schoenstatt.

– 20 de outubro de 1974: A Família Internacional de Schoenstatt coroa a Mãe, na Igreja da Adoração, como Vencedora Três Vezes Admirável.

– 15 de setembro de 1994: Cardeal Ruini coroa a Mãe como Coração da Igreja no Santuário de Roma.

Em cada Santuário de Schoenstatt no mundo a Mãe e Rainha é solenemente coroada, com uma coroa idêntica a essa que está no Santuário Original. Também os membros da Obra têm o costume de oferecer-lhe coroas, reconhecendo sua realeza, seguindo o conselho do Fundador.

És nossa Rainha!

“A coroação não é, senão, a expressão do nosso relacionamento sumamente profundo com ela, um constante reconhecimento de sua tarefa para com nossa família, para o mundo inteiro e a Igreja” (Pe. Kentenich, 23/03/1941).

Rezemos para nossa Rainha:

Rainha eu creio em vosso poder;
Ó Mãe Admirável, eu creio sem ver.
Vossa soberania vitoriosa me dá
Alento e confiança que não falhará.
Eu vos amo, ó Mãe, que sempre me amais,
Eu vos amo também quando nada me dais.
Aumentai a minha fé, a confiança e o ardor.
Em tudo me dai conhecer o vosso amor. Amém!

[1] BONFANTE, Ir. M. Lúbia. Coroar por quê?. 2ª edição. Santa Maria/RS: Editora Pallotti, 2014, pág. 29.