Pe. Alexandre: Fidelidade o vínculo ao Fundador

2 de janeiro de 2015

Ano Centenário da Aliança de Amor

padre-alexandreContinuação da entrevista com o Pe. Alexandre Awi, Diretor Nacional do Mov. Apostólico de Schoenstatt, sobre o Ano Jubilar da Aliança de Amor

IMN: O lema que acompanha os três últimos anos de preparação para o jubileu é: “Tua Aliança, Nossa Missão”. No último Congresso de Outubro, o senhor deu ênfase dizendo que “Tua Aliança” refere-se à Mãe de Deus, mas, refere-se também ao nosso Pai e Fundador, Pe. José Kentenich. Trata-se daquela Aliança que ele selou com a Mãe de Deus, no dia 18 de outubro de 1914. Como fazer da Aliança do fundador a minha Aliança? 

Padre Alexandre: Sem duvida, o carisma de Schoenstatt, vem a partir do seu fundador, da experiência que ele teve com a Mãe de Deus na sua vida, no santuário, na sua historia. Portanto, se eu quero viver plenamente essa aliança com a Mãe de Deus, é sempre muito positivo, muito recomendável, que olhemos para a pessoa do Fundador e peçamos a graça de viver essa aliança com o mesmo espirito com o qual ele a viveu.

No Congresso de Outubro, nós falávamos que, ao longo da historia de Schoenstatt, houve certas atitudes com que o Pe. Kentenich viveu, que marcaram também essa historia, especialmente nos seus marcos históricos: a luz divina, a confiança divina, a força divina e a vitoriosidade divina. Acredito que podemos pedir também neste ano jubilar a graça de viver a Aliança de Amor sob essa mesma luz, sob essa mesma confiança, com essa mesma força e na certeza também da vitória, como o fundador a viveu ao longo de toda a sua vida.

Quem sabe este ano é um ano também para intensificar, então, a nossa oração diretamente ao Fundador, pedindo a graça de viver como ele viveu. E, quem sabe, para alguns, pode ser a oportunidade de selar uma aliança filial com ele, como já está também na historia e na tradição da nossa Família de Schoenstatt, e assim pedir que esse ano jubilar seja vivido com o mesmo ardor, com as mesmas características com que ele viveu essa Aliança, ao longo da sua vida.

Parece-me que o vínculo com o Fundador nunca pode ser algo forçado. Tem que ser por uma graça. O ano jubilar pode ser uma ótima oportunidade para suplicar esta graça e para intensificar a nossa vinculação com o Pai e Fundador. Afinal de contas, “Tua Aliança”: a Aliança do Pai – Aliança dele com a Mãe, Aliança da Mãe com ele –  esta é a nossa missão!

IMN: O Padre Kentenich viveu a Aliança de Amor com a Mãe de Deus. Não basta viver a Aliança com a Mãe de Deus? Para que esse vinculo especial com o Fundador?

Padre Alexandre: Todo Fundador é portador de um carisma e, junto com o carisma, ele tem também essa missão para o mundo de hoje. Sem dúvida, o vínculo ao Fundador é parte também do carisma de Schoenstatt. Schoenstatt é um movimento pedagógico, que valoriza os vínculos humanos, que valoriza os transparentes humanos do atuar de Deus.

Deus não quer chegar à nós diretamente, somente. Ele pode chegar de uma maneira direta. Mas, o mais típico do católico, o mais típico da piedade cristã, é vincular-se com Deus através de seres humanos. Daí o valor que damos à Maria, como plenamente humana, e aquela que também tem o lugar de intercessão mais diretamente junto a Deus e mais diretamente junto aos homens.

Assim também o vínculo ao Fundador é parte do nosso carisma, porque nele nós vemos um transparente do atuar de Deus. Experimentamos assim a Deus, que quer que nós cheguemos a Ele através dos seus transparentes, através das suas causas segundas, como fala-se na teologia escolástica, na teologia que Santo Tomás desenvolveu tão claramente no Ocidente.

Então, nós queremos realmente chegar a Deus através também do Pe. Kentenich. Não só do Pe. Kentenich, mas de todos os que tem função de paternidade e de maternidade em nossa vida, pois esse é o caminho que Deus tem para chegar até nós. Ao intensificar o vínculo com o Pai-Fundador, nós temos também a possibilidade de entender e viver melhor o carisma que ele nos deixou. Porque acreditamos que a missão do Pai é a missão de Maria e a missão de cada schoenstattiano é a missão do Pai, a missão que ele recebeu e carismaticamente transmitiu para toda sua Família de Schoenstatt.

Veja também a parte 1 e a parte 2

>> Em breve, a última parte

Agradecemos a colaboração de Alessandra Veras e Rodrigo Tito

(Na última parte, a entrevista estará na íntegra em áudio)

  • Francisco Parente de Carvalho

    Vamos viver a Aliança de Amor, sem esquecer o Pe. José Kentenich.

  • EDJANE MENDES

    Quanta riqueza de informação.Maravilhoso.