Para os sacerdotes: Uma meditação com o Pe. Kentenich

7 de agosto de 2016

Palavras do Pe. José Kentenich aos sacerdotes, em retiro, no ano de 1937:

capaConsiderando minha vida na perspectiva de sua relação com Deus, sinto ressoar em mim: chamado por Deus, consagrado a Deus, enviado por Deus!

1. Chamado por Deus

Ante o escuro cenário do tempo atual, digo-me: foi o Deus que o mundo atual ignora que me chamou. Talvez valha a pena recordar brevemente, nesta perspectiva, a história de nossa vocação sacerdotal. Foi Deus que me chamou, Deo gratias! Quero repeti-lo sempre que enfrentar dificuldades na minha vocação, sempre que experimentar e viver grandes desilusões. Não fui eu que me chamei, foi Deus que me chamou! Não foi qualquer terceira voz que me chamou; minha vocação vem de Deus! Deo gratias! Mesmo que me depare com grandes dificuldades, o Deus que me chamou está sempre comigo. No vértice de sua vida, Jesus pronunciou uma frase semelhante: “Quem me enviou está comigo. Não me deixa sozinho porque faço sempre o que lhe agrada”.

Resumindo: peço-lhes que lancem um olhar retrospectivo à história de sua vocação e reflitam novamente sobre ela nessa perspectiva. Isso desperta interiormente a alma, que precisa abrir-se para as sementes da graça de Deus. […]

2. Consagrado a Deus

padresDeus bradou-me: “Serás meu!” Deus queria que eu me doasse a ele. Quando me bradou: “Serás meu!”, eu respondi: “Aqui estou! Quero pertencer-te por tempo e eternidade!” Vale a pena recordar novamente a história de nossa vocação também nesta perspectiva, até ao momento em que demos nosso sim a Deus. Doamo-nos a ele. Talvez já o tenham feito em segredo quando ainda eram bem jovens. Recordem o momento em que responderam pela primeira vez: “Sim, quero pertencer-te, todo o resto é secundário”. Embora na minha família ninguém tenha seguido esta vocação, sei, sinto, experimento e estou convicto: “Deus não me quer aqui em casa”. Recordem sua consagração pessoal, sua doação pessoal a Deus. Lembrem o que vivenciaram por ocasião da tonsura, da ordenação subdiaconal, da ordenação sacerdotal.

Resumindo: vivencio novamente toda a minha vida sob o ponto de vista: chamado por Deus, consagrado a Deus! Detenham-se um pouco recordando assim a história de sua vida e perguntem-se o que fizeram nesses momentos. Não foi algo sumamente raro, algo sumamente grande, algo sumamente fecundo, que os tornou imensamente felizes? Reflitam um pouco sobre estas quatro palavras durante a meditação. Minha decisão, minha entrega a Deus, minha consagração a Deus…

3. Enviado por Deus

Não fui apenas chamado por Deus, consagrado a Deus, mas igualmente enviado por Deus. Para que o bom Deus me chamou? Por que me consagrei a ele? Para me deixar enviar por ele! Com a ordenação sacerdotal recebemos o envio, que no final do retiro desejamos acolher novamente. “Como o Pai me enviou também eu vos envio”.

Não ingressamos na comunidade para levarmos uma vida calma, numa ilha tranquila e pacífica. Fomos inseridos na grande corrente da missão do Homem Deus. […] Sim, fomos inseridos na corrente da missão do Homem Deus, Deo gratias! Deus quer glorificar o seu nome através de mim em todo lugar para onde me envia.

[…] Ser inserido na corrente da missão significa, também, ser incluído na grande corrente de seu trabalho. Vejam na Sagrada Escritura como esta missão era vinculante para os apóstolos. Não podiam ficar de braços cruzados, deviam trabalhar! As diferentes expressões usadas para designar o ministério apostólico e o ministério missionário apontam explicitamente nesse sentido: soldados de Cristo, trabalhadores na vinha do Senhor, pescadores de homens. Já que fomos enviados, precisamos trabalhar seriamente, trabalhar pelas almas imortais, mesmo que tenhamos que perecer. Não podemos procurar-nos a nós mesmos.

Finalizando, procurem entender devidamente estas palavras introdutórias. Esta noite não pretendemos dizer grandes coisas nem grandes novidades. Queremos apenas lançar-nos de novo no infinito oceano de Deus. O Deus eterno, o Deus infinito envolve a vida de cada um de nós de forma singularmente profunda. Ele nos chamou pessoalmente, nos chamou pelo nome. Nós consagramo-nos pessoalmente a ele e ele nos enviou pessoalmente.

Pe. José Kentenich, Palestra de introdução para o Retiro de Sacerdotes no convento de Belém, Immensee/Suíça, 9 de agosto de 1937.

Fonte: WOLF, Peter. Chamado por Deus, consagrado a Deus, enviado por Deus – Textos escolhidos do Padre José Kentenich sobre o sacerdócio. 1ª Edição. Sociedade Mãe e Rainha,
Santa Maria/RS: 2009.