Os Pokémons e a fé prática na Providência

6 de agosto de 2016

O Pai se preocupa conosco, desde as mínimas coisas.

santuarioKaren Bueno – Com o celular na mão e o ânimo de quem busca algo essencial para a vida, milhares de pessoas saem à caça dos “Pokémons”, por toda parte, seja onde for. Na onda do aplicativo Pokémon GO, é comum ouvir histórias sobre aqueles que se colocam nos lugares mais impensáveis e realizam coisas excepcionais para cumprir a meta determinada pelo jogo.

Pe. José Kentenich sempre ressaltou que Deus fala pelos sinais dos tempos. Deixando de lado toda a polêmica que envolve esse jogo viral, é possível captar algumas reflexões baseadas na dinâmica do aplicativo.

O anseio de buscar algo que você não pode ver diretamente, mas que você sabe, tem certeza que está ali – como acontece no jogo – tem a mesma lógica da busca por Deus.

Deus não está “preso em uma bola”, colocado em lugares pré-determinados para que se possa encontrá-lo. Tampouco há um mapa com dicas escritas sobre sua localização. A busca por Deus pode ser mais fácil ou mais difícil, vai depender da abertura ao divino. O “mapa” que o Pe. Kentenich sempre indica para perceber a presença e a paternidade do Senhor chama-se ‘Fé Prática na Divina Providência’.

Onde encontrá-lo?

Deus está em toda parte e, especialmente, no interior de cada pessoa, de cada filho. Porém, algumas vezes, com a correria diária ou os problemas pessoais, pode parecer que ele se “esconde”, que está distante. Aí entra a fé prática na Providência, que é a capacidade de perceber Deus agindo nas pequenas coisas, seja nas palavras certas que me são ditas quando preciso ou num semáforo aberto na hora da correria. Cada acontecimento do dia a dia, por mais singelo que seja, tem a permissão e a paternidade do Bom Deus por trás.

“A fé prática na Divina Providência nos leva a buscar ativamente a vontade de Deus na vida e nos acontecimentos e a responder-lhe filial e eficazmente. É uma fé RECEPTIVA, na medida em que está aberta a receber as indicações de Deus e a abandonar-se a sua vontade; e é ATIVA na medida em que busca ativamente essa vontade e procura realizá-la[1]”.

O Pai quer ser encontrado

Deus espera que seus filhos tenham ‘o ouvido próximo ao seu coração e a mão no pulso do tempo’ para percebê-lo sempre presente. Para descobri-lo, não é preciso sair caçando-o pelas ruas ou se colocar em situações adversas; ele está ali, ele fala com seus filhos a todo o momento. Seus sinais podem ser grandiosos, verdadeiros milagres, mas há também, a todo o momento, aqueles que são sutis e, por isso, podem passar despercebidos.

Nas palavras do Pai e Fundador: “O livro da Sabedoria (14,3) diz: ‘A tua providência, ó Pai, governa’ o universo. O que se supõe aqui? Que Deus, através de sua bondade, de seu poder e de sua fidelidade conduz à sua meta todas as coisas: o pássaro, que voa pelos ares, as plantas, os lírios que florescem… Esta é a providência em geral. Sou objeto desta providência geral? Sem dúvida! Mas, sou ainda mais: como pessoa sou objeto do amor especial da pessoa de Deus Pai[2]”.

[1] 150 preguntas sobre Schoenstatt, Pe. Rafael Fernandez de Andraca, pergunta nº 67: Em que consiste a “Fé Prática na Divina Providência”?

[2] Abrigado em Deus Pai – Textos escolhidos sobre Deus Pai, Instituto Secular Padres de Schoenstatt.