O Santuário é a casa da nossa Mãe

31 de agosto de 2015

Um vivo Tabor.

romaria-santuario-maeKaren Bueno – No domingo, 30 de agosto, o Santuário de Atibaia/SP recebe muitos sorrisos e corações alegres por estarem ali. Muitos chegam de longe, distâncias de mais de 400 quilômetros, alguns saem às três da manhã, bem cedo, mas tudo vale a pena, pois há alguém muito especial que os espera, pronta a acolher nos braços e apresentar-lhes para seu Filho. Maria Gabriela e Marcos Guilherme Martinez, de Pouso Alegre/MG, estão entre os peregrinos deste domingo. Eles vêm ao Santuário nesse dia, pois sabem que a Mãe está ali os esperando. “O Santuário é um lugar de graças e bênçãos, e, para nós, um pouquinho mais, representa um encontro muito pessoal com Deus. O Santuário trouxe muita coisa boa à nossa vida, à nossa família, aumentou a devoção à Maria, ajudou a sermos melhores com nossa família e com o próximo”.

Junto com eles, cerca de 3.100 peregrinos, a maioria da Diocese de Limeira/SP, aproveitam o dia para visitar a Mãe. Às 9h30min a concentração começa na frente da imagem de São Miguel Arcanjo e do Cruzeiro e ali todos são acolhidos para o dia de romaria. Depois de alguns cantos a procissão segue até a estátua do Pe. José Kentenich, onde acontece a primeira parada. Na Oração de Beatificação do Pai e Fundador, os peregrinos colocam suas intenções e preces.

Seguindo com uns passos adiante, chega um momento muito especial, quando todos param em frente ao Santuário. “É um lugar de fé, de oração, onde a gente recebe muitas bênçãos”, diz a senhora Francisca Maria dos Santos, de Cosmópolis/SP. Na oração dos peregrinos, a prece: “Mãe, aqui estou! Tanta coisa pesa em meu coração, que eu não sei o que fazer nem o que dizer. Mas eu sabia que precisava procurar-te e por isso estou aqui. Vim para ver-te e ser visto. Vim para pedir e mostrar-te que te amo. Vim para ficar um pouco mais perto de ti”. Ali os corações se encontram e o milagre da maternidade de Maria é sentido de maneira profunda.

Contigo caminhar

A missão da Mãe de Deus é apresentar Jesus, e assim ela o faz. Em frente ao Santuário o Santíssimo fica exposto para adoração, depois segue uma procissão solene com o Senhor, indo até a Tenda, onde acontece a bênção do Santíssimo, presidida por Pe. Ricardo Wanderlei Petri.

Em seguida acontece o Momento Mariano, uma solenidade dedicada à Mãe de Deus. Nessa vivência as famílias oferecem flores e o coração para a Mãe e Rainha, também uma estrela e a coroa, que é suspensa por fios até a fronte da imagem da MTA. “A cada ano que venho sinto que a romaria é ainda melhor, mais pessoas vêm para cá. Sinto muita satisfação e me sinto honrada. Gostei muito da procissão ao Santuário, a gente sente a presença viva da Mãe ali”, diz a Sra. Fátima Lemes de Andrade, de Americana/SP, que visita o Santuário pela 12ª vez.

Até breve

Depois do almoço há diversas programações para os romeiros, como a oração do Terço meditado e um filme sobre a vida do Fundador de Schoenstatt. Às 14 horas a Tenda fica repleta de pessoas, pois logo mais, às 14h30min inicia a Santa Missa.

Pe. Ricardo Wanderlei Petri, de Porto Ferreira/SP é o presidente da celebração. Com ele participam também da Eucaristia o Pe. Marcos José Theodoro e Pe. Alexandre Boratti Favretto, de Limeira/SP, ainda o Pe. Manoá Xavier dos Santos e Pe. Cássio Roberto Rossette, de Americana/SP.

Na homilia o sacerdote afirma: “A liturgia nos fala da importância de viver e guardar os mandamentos do Senhor; somente a palavra de Deus conduz ao caminho da vida em plenitude. Não podemos adulterar a palavra de Deus segundo nossos interesses. A palavra precisa ser ouvida e colocada em prática, com gestos concretos”. Pe. Ricardo afirma ainda: “Somos um Movimento Mariano, buscamos a religiosidade na oração, mas também no testemunho. A religiosidade verdadeira está também no serviço ao outro, assim como Maria fez à sua prima Isabel. Não podemos nos preocupar só com as coisas externas, mas com a conversão do coração. Precisamos rezar, mas também servir àqueles que buscam o amor, a acolhida. Não podemos transformar a espiritualidade em fardo pesado. O que nos leva ao céu é o coração purificado, a experiência de fé e vida”.

No final da Missa todos coroam a Mãe de Deus como Rainha de suas famílias, de seus corações. “Percebíamos a cultura do encontro quando encontrávamos conhecidos que não víamos há muito tempo, durante todo dia, nos abraçávamos e novamente a alegria se fazia presente, como acontece na casa de uma mãe. O sol estava forte, mas, mesmo assim, ninguém queria perder nenhuma atividade. Terminada a Missa, temos que voltar para nossas cidades, nossos lares, nossas famílias, mas, novamente com a alegria estampada nos rostos, pois temos a certeza de que no próximo ano estaremos aqui novamente”, diz o coordenador diocesano, Vicente Poleti.

Mais fotos