Nós construímos a cultura da Aliança

25 de junho de 2015

O apostolado dos Círculos de Aliança de Amor.

aliançaKaren Bueno – “Começou uma nova época na nossa história. Repletos de espírito missionário, propomos a todas as pessoas, para além de todas as fronteiras – até às periferias da sociedade – a Aliança de Amor como caminho e esperança. Construímos assim uma abrangente cultura de aliança” (memorando do Congresso de Pentecostes 2015).

O desafio de formar uma cultura de Aliança é algo que inspira e motiva milhares de pessoas desde a fundação de Schoenstatt. Pouco antes da virada do século, e mais ainda neste novo tempo, a Família Internacional de Schoenstatt firma o compromisso de levar adiante o legado do Pai e Fundador, formando uma nova ordem social, como ele sonhava. Diversas iniciativas no mundo todo visam concretizar a cultura da Aliança em vários âmbitos sociais, em especial nas áreas de matrimônio e família, juventude, pedagogia, sociedade e Igreja.

Dentre todos esses trabalhos desenvolvidos, há os chamados Círculos da Aliança de Amor, que acontecem em várias cidades do Brasil. Eles são grupos de preparação para a Aliança, conduzidos pela Família de Schoenstatt nos locais. Por meio desses grupos, muitas pessoas podem conhecer melhor a espiritualidade de Schoenstatt e tomar parte na missão deixada pelo Pai e Fundador, como seus colaboradores.

A cidade de Curitiba/PR é um exemplo de local onde a experiência dos Círculos de Aliança ganha vida e enriquece a Obra de Schoenstatt. No ano passado, cerca de 40 pessoas da capital paranaense selaram a Aliança de Amor e muitas delas ingressaram nos ramos do Movimento Apostólico. Ao todo, quatro turmas são formadas por ano, duas no Santuário Tabor Magnificat – uma no primeiro e outra no segundo semestre – uma na Paróquia Santíssimo Sacramento e outro na Paróquia Sagrada Família.

Já há alguns anos que existe em Curitiba uma corrente de preparação dos romeiros para a Aliança de Amor, e com o centenário de fundação de Schoenstatt em 2014, esses grupos foram intensificados. “Depois do centenário chegou um grupo de pessoas querendo saber mais sobre a Aliança de Amor e como fazer para selá-la, pois viram muitas matérias na TV Canção Nova sobre a Obra de Schoenstatt. Nós explicamos como funcionava, então elas procuraram mais colegas e iniciamos uma nova turma no fim do ano”, conta Ir. Ignês Maria Rubin.

Mais corações para a missão

As reuniões do Círculo da Aliança são preparadas por membros do Movimento, e há grande participação em Curitiba. “A Família de Schoenstatt se reveza para dar essa preparação, assim os romeiros entram em contato com as comunidades e os ramos do Movimento, e muitos, depois da Aliança de Amor, decidem continuar em Schoenstatt, ingressando em alguma de nossas fileiras”, afirma Ir. Ignês Maria.

Renato Valentini se motivou a selar a Aliança após conhecer o carisma de Schoenstatt por meio da Comunidade Canção Nova. “Participo do Terço dos Homens há seis anos e sempre nos nossos encontros comentavam sobre a Aliança de Amor. Quando descobri que o Mons. Jonas Abib tinha se consagrado à Mãe e Rainha, me interessei em saber mais, isso também porque sou muito devoto de Nossa Senhora”. Renato selou a Aliança de Amor no mês de maio de 2015, e ele e a esposa, Verônica, ingressaram na Liga de Famílias de Schoenstatt e a filha nas Apóstolas Luzentes de Maria. “O Círculo da Aliança foi muito bom, aprendi muita coisa sobre a vida do Pe. Kentenich, sobre a formação pessoal, etc. Pela Aliança de Amor nos sentimos protegidos, nos apegamos à Mãe e damos uma resposta às palavras de Jesus quando ele diz: Eis aí tua Mãe”.

A jovem Heloísa Gusmão conta: “Há muitos anos eu visito o Santuário, e me veio esse desejo de fazer parte do carisma de Schoenstatt por meio da Aliança de Amor, por meio do Círculo, que é uma oportunidade de partilhar minha vivência cristã com outras pessoas que também têm a mesma devoção que eu e estarmos ali unidos no mesmo ideal. Algo que é muito forte e me chamou muito a atenção nesse Círculo é a escolha de um ideal de vida, por isso eu quis fazer parte”.

Heloísa tem 21 anos, selou a Aliança de Amor em dezembro de 2014 e hoje faz parte da Juventude Feminina de Schoenstatt: “A Aliança, como a própria palavra diz, é um sinal, como que uma marca que a gente coloca em todas as ações do nosso dia-a-dia. Tudo o que eu estiver fazendo durante a minha semana, tenho que me referir à essa Aliança de Amor que fiz com Nossa Senhora. Tudo aquilo que à primeira vista parece rotineiro, ganha um novo significado quando visto por meio da Aliança de Amor, é uma ressignificação de todas as minhas ações tendo em vista o ideal da Aliança”.

Em Curitiba, os romeiros são convidados a dar um próximo passo depois da consagração pela Aliança. Os casais do Instituto Secular de Famílias de Schoenstatt preparam aqueles que têm interesse para instituírem Santuário Lar, convidando a MTA à habitar suas casas como Mãe e Educadora.

“É tudo muito bonito! Queremos, com esse trabalho, formar uma cultura de Aliança entre os peregrinos como nosso Pai e Fundador gostaria”, diz Ir. Ignês Maria.

Para saber mais sobre os Círculo de Aliança de Amor entre em contato com os Centros de Schoenstatt espalhados pelo Brasil. Clique.