“No Santuário mora a Mãe Misericordiosa”

28 de março de 2016

Retiro de coordenadores e missionários da Região Sé.

retiroIr. M. Márcia C. da Silva – Na terça-feira, dia 15 de março, aproximadamente 85 pessoas, entre missionários e coordenadores da Campanha da Mãe Peregrina de Schoenstatt da Região Episcopal Sé, da Arquidiocese de São Paulo/SP, saem de suas casas, nos mais diversos bairros da capital paulista, rumo à Porta Santa da Misericórdia, no Santuário da Mãe e Rainha em Atibaia/SP.

“Um dia especial, acolhidos pela Mãe de Misericórdia”, diz Fátima Bracco, referindo-se a programação do dia, com a peregrinação à Porta Santa, a graça da indulgência plenária e o retiro, presidido por Pe. Alexandre Awi Mello, diretor nacional do Movimento Apostólico de Schoenstatt no Brasil.

Santuário de Schoenstatt, ponte aérea para o céu!

Assim, Pe. Alexandre Awi apresenta o Santuário neste Ano Santo como lugar de misericórdia e afirma ainda que o Santuário é uma “conexão com o céu, lugar onde mora a Mãe Misericordiosa”.

Na palestra do retiro, Pe. Alexandre ajuda os missionários e coordenadores a se prepararem para viver o Jubileu da Misericórdia, inspirados pelo Pe. José Kentenich e também pelo Papa Francisco, que apresenta a Igreja com Mãe Misericordiosa, uma Igreja que abraça, ama, beija e acolhe.

“Pe. Kentenich ensina que tudo o que tem sua origem em Deus, realiza-se por amor, através do amor e para o amor. Um traço característico de Deus é o amor misericordioso. Importante para nós é só Deus: o Pai e seu amor!”, diz Pe. Alexandre.

Ele também explica que o amor de Deus é independente de qualquer condição, é incondicional e neste sentido lembra que de forma especial, neste Ano Santo, todos são convidados a serem misericordiosos como o Pai, abrindo o coração aos que vivem nas mais variadas periferias existenciais.

Inspirados pela palestra, os missionários partem para um momento de silêncio, reflexão e oração pessoal.

Peregrinação à Porta Santa

Assim Maria Dulce Navarro Torres guarda o momento especial da graça: “Em silêncio, ouvindo uma linda canção, peregrinamos em direção ao Santuário, à Porta Santa. Após uma oração realizada do lado de fora, concentrados e emocionados, fomos transpondo aquela Porta Santa, sentindo que realmente entramos num pedacinho do céu, onde Jesus e Maria nos recebiam e acolhiam”.

A Santa Missa de encerramento do retiro acontece às 15 horas, horário da Divina Misericórdia, presidida por Pe. Alexandre Awi e com a participação dos peregrinos de Montes Claros/MG.

Na homilia, que retoma a passagem do “filho pródigo”, o sacerdote mostra como essa leitura tem uma mensagem atual, principalmente para Ano da Misericórdia, porém afirma que o personagem central não é o “filho pródigo” e sim o Pai misericordioso que estava à espera do Filho. “O pai avistou o Filho quando ele estava longe, isso demonstra como o Pai estava o tempo inteiro na expectativa da volta”, diz Pe. Alexandre

Ele continua: “Quem não tem nada de misericórdia é o irmão mais velho, embora ele estivesse sempre junto do pai, ele não aprendeu a amar o irmão”. Nesse sentido ele fala das muitas vezes em que as pessoas se colocam na posição do filho mais velho e não são misericordiosas e pacientes com as faltas e limites do próximo.

Com a profunda vivência da misericórdia, os missionários retornam prontos a transmitir o amor do Pai a todos que lhe são confiados, especialmente para as família que recebem a visita da Mãe.