Na misericórdia do Pai, Família em saída

14 de março de 2016

Pela construção de um novo Santuário.

caieirasKaren Bueno – Fogo, ardor, missão são algumas expressões que ilustram a vida da Família de Schoenstatt de Caieiras/SP neste começo de ano. E não é para menos, afinal eles têm uma grande tarefa pela frente: construir nessa cidade um centro de irradiação das glórias de Cristo e de Maria. Todas as palavras, as conversas, os olhares levam um único assunto, a construção do tão sonhado Santuário.

A abertura do ano inicia com a Missa na Paróquia Santo Antônio. Pe. Pio José Braga da Silva retoma, na homilia, as leituras da Quaresma e mostra o caminho de graça e misericórdia que a liturgia percorre. Sobre o evangelho, ele explica que a mulher pecadora, colocada diante de Jesus, não é a personagem principal da passagem, mas que os olhares devem se deter, principalmente, em Jesus e em sua atitude misericordiosa, que precisa ser imitada sempre.

O encontro da Família de Schoenstatt acontece ao lado da Paróquia, no salão da igreja. Representantes dos ramos, comunidades e do Movimento popular chegam para seu primeiro encontro do ano. A Juventude Apostólica anima e dá as boas vindas aos cem participantes, aproximadamente.

Schoenstatt é resposta

A principal atividade da manhã é a palestra com Pe. Vandemir Meister, sobre o tema “Schoenstatt em saída”, retomando o conteúdo do Congresso de Outubro. Sua reflexão analisa a mudança de geração atual, suas características e consequências, e indica qual a resposta de Schoenstatt diante desse contexto. “Ao selarmos a Aliança de Amor nos registramos como voluntários para a batalha”, diz.

Pe. Vandemir questiona: “O que estamos oferecendo ao mundo como schoenstattianos? Diante do mundo atual, de suas mazelas, qual é o nosso campo? Schoenstatt é resposta para todos os tempos e todas as gerações, por isso é preciso refundar Schoenstatt. Precisamos ajudar a Mãe de Deus a renovar o mundo, pelo amor, por meio do Santuário”.

Sobre essa mudança de época ele diz que está surgindo um novo tempo: “A rapidez com que temos acesso à informação é muito grande. Como processamos isso? Se não temos valores bem definidos, nos agarramos ao que aparece e qualquer coisa serve. Esse tempo de desencontro precisa de Mãe: chegou a hora de Schoenstatt!”. Pe. Vandemir diz ainda: “Precisamos sair às ruas para todos os ambientes, precisamos sair do nosso reduto e dar passos para outros meio. Schoenstatt é um Movimento que vai às ruas”.

Refletindo sobre a realidade da Igreja e do país, ele apresenta, como forma de lutar por um mundo novo, alguns conselhos do Papa Francisco no encontro com a Família de Schoenstatt em 2014: rezar e abandonar-se em Deus, sair em missão, não ter medo da vida de santidade. “A minha espiritualidade tenho que viver para além do Santuário Lar e do Santuário Coração, tenho que viver para o mundo”.

Por ele eu choro, eu luto, eu morro

ermida caieiras

Ermida da MTA em Caieiras, onde será construído um novo Santuário

Sobre a construção do Santuário de Caieiras, Pe. Vandemir motiva e aconselha: “Chegou a hora da atuação da Mãe de Deus em seu Santuário. Mas não somente ali, no terreno, esse Santuário deve estar enraizado em nosso coração. É o meu Santuário, eu choro por ele, eu luto por ele, eu morro por ele. Nós somos convidados a fazer essa história”.

Na parte da tarde seguem os trabalhos em grupo, em busca de palavras-chave para a formulação de um lema. Mas antes as palavras do Papa Francisco, no Santuário de Nossa Senhora de Guadalupe, no México, estimulam os participantes:

“Porventura não sou tua Mãe? Não estou eu aqui? Não te deixes vencer pelas tuas dores, pelas tuas tristezas, diz-nos ela. Hoje, volta a enviar-nos como a Juanito (São Juan Diego); hoje repete para nós: Sê o meu mensageiro, sê o meu enviado para construir muitos santuários novos, acompanhar tantas vidas, consolar tantas lágrimas. Basta que caminhes pelas estradas do teu bairro, da tua comunidade, da tua paróquia como meu mensageiro, minha mensageira; levanta santuários compartilhando a alegria de saber que não estamos sozinhos, que ela está conosco. Sê o meu mensageiro – diz-nos – dando de comer aos famintos, de beber aos sedentos; oferece um lugar aos necessitados, veste os nus e visita os doentes. Socorre os prisioneiros, não os deixes sozinhos, perdoa a quem te fez mal, consola quem está triste, tem paciência com os outros e, sobretudo, implora e invoca o nosso Deus. E, no silêncio, diz-lhe o que te vier ao coração. Porventura não sou eu a tua Mãe? Porventura não estou eu aqui? – diz-nos novamente Maria. Vai construir o meu santuário, ajuda-me a erguer a vida dos meus filhos, que são teus irmãos”.

Impactados com a mensagem do Santo Padre, que parece ser dedicada a cada um nesse dia, seguem as discussões e conclusões. Tudo caminha para a formação de uma frase que norteará os trabalhos na cidade. Assim, com alegria, descobrem seu lema do ano: “Na misericórdia do Pai: Família em saída, constrói o Santuário”.

Junto ao lema do ano da Família de Schoenstatt do Brasil – “Contigo Pai, Família em Aliança: santidade e missão” – o Movimento em Caieiras leva para si a responsabilidade de formar em sua cidade uma terra santa mariana, Tabor de Maria, sendo instrumentos de misericórdia para um cultura de Aliança em 2016.