Minha mão em tua mão, meu coração em teu coração

19 de novembro de 2015

Assim celebramos o aniversário do Pai.

atibaia estatuaKaren Bueno – O Santuário de Atibaia/SP está em festa nesse domingo, 15 de novembro, e não é porque celebra o dia da proclamação da República do Brasil, mas porque recorda a data de nascimento de um grande homem. Se o Pe. José Kentenich estivesse vivo, completaria no dia 16 de novembro seus 130 anos, então essa romaria é um marco de gratidão ao Bom Deus pela vida, história e missão do Pai e Fundador, que do céu continua intercedendo por sua Família Internacional de Schoenstatt.

Cerca de 2.500 pessoas participam da peregrinação festiva em recordação ao Fundador de Schoenstatt. São peregrinos vindos de cidades distintas, como Araxá/MG e Uberlândia/MG, também das Dioceses de Santos/SP e Franca/SP, e muitas outras.

A romaria inicia no Cruzeiro, na entrada do Santuário, e segue para a Tenda dos Peregrinos aonde cada cidade é acolhida e há um momento de oração, ofertando a coroa à Mãe de Deus como Rainha da Família.

Maria é coroada em sua imagem e também no coração de cada um ali presente e como Mãe apresenta seu Filho aos peregrinos, iniciando assim a adoração eucarística. Caminhando entre as árvores e bosques, os romeiros seguem com Jesus Eucarístico ao Santuário e lá é dada a bênção do Santíssimo, momento profundo de amor mútuo.

O Pai saúda os filhos

Após a bênção, do Santuário a multidão se dirige para a estátua do Pe. José Kentenich, que está nesse dia enfeitada com bexigas, e se concentra ao redor. Convidados a se aproximarem da imagem do Pai, todos cantam com alegria saudando-o e em seguida rezam por sua beatificação. É um momento familiar, alegre, coberto por uma chuva de papéis dourados que saem esvoaçantes sobre todos.

Sabe-se que as pessoas que se encontravam com o Pe. Kentenich sempre recebiam uma palavra, um conselho e sua total atenção, mas que ele também gostava de presenteá-las materialmente, muitas vezes com chocolates e doces. Por isso todos os peregrinos recebem nesse dia uma bala e uma mensagem do Fundador, algo bem pessoal que ele com certeza gostaria de entregar a cada um. Além disso, todos celebram o aniversário com bolo, distribuído numa barraca ao lado.

Durante o dia há ainda a singela “inauguração” do velário que foi recém-colocado próximo ao Santuário, um ponto simbólico onde as pessoas deixam as luzes como marca de sua fé, da confiança dos filhos que neste dia peregrinam ao Santuário. Todos ainda podem ter um encontro com o Pai de Misericórdia por meio da confissão, com sacerdotes que se colocam a serviço nessa romaria.

À tarde a Santa Missa é presidida por Pe. Adilson Aparecido Fortunato, de Orlândia/SP, e concelebrada por Pe. Leonaldo Cardoso Beneti, de Franca/SP, e Pe. Tarcisio Teófilo Pescarolo, de Ribeirão Preto/SP. É o ápice da romaria, quando cada peregrino deposita sua vida diante do altar no ofertório e na Eucaristia se transfigura num encontro sem igual com o Deus de Amor.

Podemos esperar sempre novos tempos

Na homilia Pe. Adilson recorda que os cristãos estão aguardando a vinda do Senhor, que caminham como peregrinos: “Por isso é tão importante estar aqui neste lugar que nos recorda que somos peregrinos, não só neste dia, não só neste lugar, mas nessa vida. Nós podemos olhar para nossa vida como uma peregrinação, somos chamados por Deus à vida e a deixaremos no tempo marcado”.

Com a fé tudo toma um novo sentido, segundo o celebrante: “Queridos irmãos, quando acontece algo que nos faz sofrer muito, alguns cortes em nossa vida, isso nos angustia. No primeiro momento sentimos dor e para quem não tem fé fica apenas o sofrimento, mas quando temos fé, quando temos o Senhor em nossa vida, vemos o momento de sofrimento como o fim de um período, o fim de um tempo e ao mesmo tempo nos abrimos para coisas novas em nossa vida”. Ele faz uma comparação: “Uma imagem que pode nos ajudar a compreender isso é a gestação, um tempo de conforto, de carinho, quando parece que tudo está bem vem o corte e aí se inicia um novo tempo”.

Pe. Adilson continua: “O cristão é a única pessoa que dá graças a Deus por tudo o que acontece, mesmo nas tribulações, porque muitas delas são permissões de Deus, que na hora não compreendemos, mas que se permanecemos firmes na fé Deus revela que sempre esteve conosco”. E acrescenta: “Nós podemos esperar sempre novos tempos, renascer com Jesus Cristo. O Senhor vem ao nosso encontro com as mãos estendidas para nos reerguer. Somos convidados a pedir ao Senhor, junto com sua Mãe: ‘Vem Senhor, vem na minha vida e me ajude a encontrar esta vida nova que só o Senhor tem para mim’”.

O final da Santa Missa é marcado pela coroação da Mãe Três Vezes Admirável, como Rainha dos corações e das vidas de cada um. Do céu o Pai e Fundador certamente se alegra em acompanhar esse dia festivo dedicado à sua memória, um verdadeiro cor unum in Patre que se revela nos pequenos gestos de carinho e filialidade ao Pai presente e querido na vida da Família de Schoenstatt.

  • Tokiyoshi Maeda

    Maravilha !!!!!!! Parabéns Pe Kentenich !!!!!!!!!!!!!!!!