Karen: Jornalista da Aliança de Amor

11 de março de 2015

“Ser jornalista para colaborar na construção de um mundo melhor.”

karen

Ir. M. Nilza P. da Silva – A frase acima explica o motivo pelo qual a jovem Karen Bueno, 23 anos, escolheu a profissão de jornalista. Desde 11 de março de 2014, ela se dedica a essa meta, por meio deste site e de outros meios de comunicação schoenstattianos. Recém formada, a Mãe de Deus a envia ao Santuário, justamente quando rezávamos para que Ela mesma escolhesse um profissional de comunicação para colaborar na Obra de Schoenstatt, aqui no Brasil. Nesse primeiro ano de trabalho, Karen prova que leva a sério a sua meta. Sua dedicação profissional, exercida com muito amor e ética, seu modo de pensar questionador, sua disponibilidade em apurar os fatos e responsabilidade pelo que publica são apenas algumas das tantas características que iluminam os seu trabalho.

Neste dia em que faz um ano de seu início profissional neste site, a entrevistadora torna-se entrevistada. Como ela mesma reagiu ao pedido: “É muito mais fácil fazer perguntas do que respondê-las!” Apresentamos, pois, o rosto e o coração daquela, cujo nome inicia muitas matérias e artigos neste site: Karen Bueno.

O que para você é ser jornalista?
Gosto de pensar no jornalista como um ‘contador de histórias’. Nós recebemos o material bruto, as informações gerais, e transformamos num texto acessível, num presente para o público. Os comunicadores têm grande poder nas mãos, porque são eles que definem o que mostrar e o que não mostrar para o público, podem manipular uma nação inteira se assim o quiserem. O desafio maior é usar todo esse poder para o bem, dando o máximo de informação possível para as pessoas chegarem às suas próprias conclusões, sem conduzi-las a determinado ponto de vista. Ser jornalista é escrever e viver a história, dar testemunho daquilo que viu, e não apenas do que ouviu.

Uma pergunta recorrente no começo da faculdade era “Por que ser jornalista?”. Minha resposta não mudou muito de lá para cá: ser jornalista para colaborar na construção de um mundo melhor. Pelos textos, pelas imagem, pela voz, buscamos transmitir a realidade e motivar as pessoas para a construção de uma sociedade mais justa e humana.

Como você realiza isso com o trabalho de comunicação em Schoenstatt?
Em Schoenstatt nós contamos muitas histórias lindas, histórias de Aliança, que precisam ser compartilhadas. Minha percepção de um mundo ideal vai de encontro a tudo que o Pe. Kentenich propõem – ter Maria como Mãe e Educadora, ser uma personalidade livre, criar vínculos, enfim. Divulgando essas ideias, me vejo colaborando na formação de uma nova sociedade, motivando outras pessoas a lutarem por esses ideais.

Como a Aliança de Amor ajuda em sua profissão?
Ela é um norte, uma estrela condutora para a santidade. Suas seis exigências são pontos muito concretos que nos ajudam a sermos melhores conosco mesmos, com Deus, com o trabalho, com os homens. Um aspecto central da Aliança é auto educação, Maria nos educa do Santuário, e isso é fundamental para todas as profissões. Como comunicadores schoenstattianos, a Aliança de Amor é o que devemos transmitir, tanto pelos textos como pela vida.

O que você aprendeu neste ano de trabalho?
Como recém-formada, desvendando um ambiente novo, aprendi muito sobre a prática do Jornalismo online no dia-a-dia. São inúmeras descobertas, porém o mais importante disso tudo é o aprofundamento na Pedagogia de Schoenstatt. As ideias e propostas do Pe. Kentenich são fascinantes, é um tesouro que precisa ser mostrado ao mundo e uma alegria poder participar disso.

Descobri também que para ser uma comunicadora de Schoenstatt é preciso muita oração. É um costume pessoal rezar pelos comunicadores da Obra, também por aqueles que contribuem com nosso trabalho. Rezar é essencial, porque temos de divulgar aquilo que a Mãe nos pede – somos sua voz. Essa é uma grande preocupação, perceber qual mensagem o Bom Deus, a Mãe e Rainha, o Pai Fundador querem passar. Então, é preciso estar atento ao que querem nos dizer, somos seus pequenos instrumentos. Contudo, não queremos ser simplesmente canais que transmitem uma mensagem, como um rádio, mas assimilar tudo que transmitimos para nossa própria vida.

O que mais gosta do trabalho que faz?
Poder contribuir de uma forma muito concreta para a formação da cultura da Aliança. É muito bonito levar os ideais de Schoenstatt para as pessoas, e saber que várias acessam esse material. Algo que gosto muito é poder conhecer melhor a história de Schoenstatt, que é cheia de fatos simbólicos, e mergulhar num passado histórico que para nós é vida.

Também é muito especial poder trabalhar, literalmente, à sombra do Santuário. Ali Maria vai nos conduzindo, às vezes “puxando a orelha”, mas formando-nos à sua imagem. Ser um espelho de Maria é a grande meta.

Qual é o seu sonho como comunicadora schoenstattiana?
Dentro do Movimento, que todos nós comunicadores possamos estar cada vez mais unidos, a nível internacional, trabalhando juntos para transmitir a mensagem da Aliança de Amor. Sonho ver nossa Obra em diversos veículos de comunicação, como aconteceu no centenário da Aliança, para que muitas pessoas tenham acesso a essa espiritualidade tão rica. Que tenhamos o mesmo espírito heroico dos primeiros congregados, refundando Schoenstatt neste novo século, e entre muitos outros sonhos, poder ver nosso Pai Fundador reconhecido como santo – tudo isso está em nossas mãos.

  • Neyde S. Oliveira

    Parabéns Karen, pelo primeiro ano de seu jornalismo, e apostola da Aliança de Amor, pôs precisamos de divulgação.

  • Carol Moraes

    Karen…lindo apostolado!!! Saudades!!!

  • Flavio José Weizenmann

    PARABÉNS, KAREN. AO LONGO DESTE PRIMEIRO ANO VOCÊ JÁ NOS TROUXE MUITAS BOAS NOTÍCIAS. CONTINUE ASSIM: COM ENTUSIASMO, ÉTICA, INTERESSE EM CADA VEZ TRANSMITIR MAIS E MELHOR AS COISAS DA MÃE DE DEUS E DE SEU GRANDE APÓSTOLO, O PE. KENTENICH.

  • Terezinha Roque Machado

    Parabéns Katia pelo seu belo trabalho de comunicação e evangelização.