Junto ao Papa, celebramos 24 horas para o Senhor

8 de março de 2016

Um dia inteiro de oração no Santuário de Atibaia/SP.

jesus eucaristiaKaren Bueno – Das 16 horas do dia 5 de março até às 16 horas do dia 6 o Santuário de Atibaia/SP celebra a festa da misericórdia. Atentos ao pedido do Papa e unidos a toda Igreja, neste final de semana a Família de Schoenstatt e diversos peregrinos dedicam suas “24 horas para o Senhor”.

A iniciativa é promovida pelo Pontifício Conselho para a Promoção da Nova Evangelização e é a terceira vez que acontece. Pela primeira vez alguns Santuários de Schoenstatt, incluindo o Original na Alemanha, tomam parte na jornada de oração. O convite do Santo Padre pede que as igrejas abram suas portas e vivam um momento intenso de encontro com o Senhor, facilitando a todos o sacramento da Reconciliação.

Em Atibaia, a jornada começa com uma caminhada penitencial pelas alamedas, inclinando todos a reconhecerem sua pequenez e miséria pessoal. A reflexão convida ainda a compreender o papel do Pai de Misericórdia, que ama a todos apesar de suas debilidades. Em seguida há a exposição e bênção do Santíssimo no Santuário, iniciando o ciclo de oração que dura o dia e a noite, sem parar.

Santuário Tabor

Durante as 24 horas o Santíssimo fica exposto para adoração no Santuário. O ambiente é preparado com velas, arranjos singelos de flores e a foto do Santo Padre. No alto do frontal, lugar onde normalmente repousa a Cruz da Unidade, fica durante todo dia a custódia – símbolo do ramo das Mães de Schoenstatt – com Jesus Eucarístico exposto. Nesse símbolo percebe-se que Jesus é o coração pulsante do Tabor, aliás, Tabor é a palavra que melhor descreve o Santuário na ocasião, um lugar onde é bom estar, onde todos que por ali passam desejam construir tendas.

De hora em hora os grupos se revezam para adoração. Pessoas de várias cidades passam pelo Santuário nesse final de semana; cerca de 1.600 tomam parte nas 24 horas para o Senhor.

Célia Maria da Costa e Bernadete Salema, de Bragança Paulista/SP, garantem, com seu grupo, uma hora de adoração: “A oração é a nossa força! Estar no Santuário e rezar diante da Mãe e Rainha é renovar nossas energias não só para o trabalho, mas também para a vida do dia a dia. Diante de todo esse momento de oração, pudemos clamar a misericórdia, para que seja derramada para todo nosso povo, todos os doentes, que muitas vezes estão abandonados nos hospitais, pelo nosso governo que está em tribulação, pelo mundo todo e pela paz. Viemos realmente clamar a misericórdia do Senhor”.

Além da oração, a distância é também um sinal de carinho para o Senhor, como mostra Luiz Carlos da Silva Oliveira. Ele parte de Santos/SP especialmente para participar da jornada de oração no Santuário. Desde as 16 horas do sábado e boa parte da madrugada o Sr. Luiz Carlos permanece diante de Jesus; já são quatro da manhã quando deixa o Santuário. Ele explica o porquê: “Aqui tenho conseguido milagres, são pequenos, mas muito importantes os milagres que o Pe. José Kentenich intercede em minha vida”.

Encontro com o Pai

Algo tocante nas 24 horas para o Senhor é a intensa procura pela confissão. Muitas pessoas aguardam na fila pelo encontro com o sacerdote, que lhes representa o próprio Pai misericordioso pronto a ouvir e perdoar. “A confissão é festa, nós entregamos nosso pecado e recebemos o perdão”, diz Pe. José Alem mais tarde.

No sábado a noite Pe. Alem celebra a Santa Missa com grande participação da Família de Schoenstatt. Já no começo da celebração o comentário anuncia: essa é a festa da misericórdia! Na homilia o sacerdote afirma que “o Filho Pródigo do evangelho representa cada um de nós, essa é a nossa história”. Ele reforça: “O Pai fez uma festa para receber o filho. Do mesmo modo, a Eucaristia é uma verdadeira festa e não há nada que se compare a ela. Vamos ver a vida como uma festa, onde Deus está sempre presente e é o motivo de nossa alegria”.

Pe. Alem diz que nunca podemos duvidar da misericórdia de Deus e é preciso ter a generosidade e coragem do filho para voltar. “O Pai vê o filho quando ainda estava longe e sai ao encontro dele; assim Deus se antecipa e vem ao nosso encontro”.

Depois da Missa todos peregrinam ao Santuário, rezando pelo Santo Padre e pedindo a graça da indulgência plenária das penas dos pecados. A partir daí começa a vigília, com adoração noturna de hora em hora. A Juventude Feminina de Schoenstatt, União de Famílias, Liga das Mães, as Irmãs de Maria, vocacionadas e peregrinos garantem que Jesus nunca fique sozinho nessa noite.

As 24 horas continuam…

O domingo desperta com oração da novena “Salve Rainha, Mãe de Misericórdia!” de hora em hora. Às 9h30min segue a Via Sacra e em seguida a bênção do Santíssimo. Vários peregrinos chegam para participar das 24 horas para o Senhor neste dia 6 de março.

As confissões continuam durante o dia. Às 15 horas Pe. Rafael Carmo Azevedo preside a Santa Missa, encerrando a jornada de oração. Essas 24 horas, a partir daí, se transformam em 48, 72, 96 horas… toda uma vida, pois é apenas o começo de uma história ainda mais bonita de amor com o Pai misericordioso.

Da mesma forma que o encontro do filho pródigo com o Pai transforma sua vida, a festa da misericórdia toca a todos que participam, dando um novo significado às suas histórias. “Acho que realmente atingimos o objetivo dessa jornada. O Papa queria que muitas pessoas chegassem ao ponto de se reencontrarem com o Senhor e muita gente se aproximou dele por meio do sacramento da confissão, esse é o objetivo das 24 horas para o Senhor”, diz Ir. M. Bruna Sturba Di Renzo.