Família que evangeliza família

17 de fevereiro de 2015

Levando a Alegria do Evangelho.

prontaKaren Bueno – Final de semana de Carnaval é período de missões para as famílias do Movimento Apostólico de Schoenstatt. Este ano, duas edições das Missões Familiares ocorrem paralelamente no regional Paraná. As cidades de Sertanópolis/PR e Porto Nacional/PR acolhem os missionários de 13 a 17 de fevereiro – eles levam a imagem da Mãe Peregrina e muita alegria para partilhar casa a casa.

As Missões Familiares são uma iniciativa do Movimento de Schoenstatt que tem crescido e produzido muitos frutos. Esse modelo de trabalho apostólico veio do Paraguai, e ganha cada vez mais força no Brasil, desde 2009.

Foi um desafio concretizar essas missões, principalmente porque no Brasil só existiam missões para a juventude. A grande questão era como tornar viável a formação de uma comunidade missionária com pessoas de diferentes idades – foi preciso um intercâmbio com os vizinhos paraguaios, criando um modelo com o “jeito” brasileiro de missionar.

Divididos em comunidades

As comunidades são formadas de acordo com a quantidade de pessoas, cada comunidade é composta por famílias missionárias, previamente organizadas pelos reitores e pelo assessor. Os casais missionários recebem de 2 a 4 jovens (1 ou 2 meninas e 1 ou 2 meninos) como filhos de missão, além dos filhos biológicos que muitas vezes também vão para as missões com os pais. E assim se forma a família missionária, que passa a ser chamada pelo sobrenome do pai, a título de vinculação entre todos. A quantidade de casas a serem missionadas é dividia entre as famílias, como todas as atividades internas da comunidade.

As Missões Familiares acontecem sempre no período de Carnaval. Elas começam com a Santa Missa de envio e em seguida todos partem para a cidade missionada, onde fazem o “arrastão” em frente à Paróquia com muita alegria, cantando e pulando para avisar a comunidade que chegaram.

Dia-a-dia

A rotina missionária começa cedo, com a oração da manhã. No período matutino, os missionários têm quatro horas de visita às casas, seja de quem for – quanto mais casas puderem atingir, melhor. O período da tarde fica reservado para organização, limpeza e para preparar as oficinas.

No começo da noite dão oficinas para as crianças, os jovens e os adultos, separadamente, com temas diferentes a cada dia. Logo em seguida há a reza do Terço e a Missa.

Na segunda-feira, acontece uma “Caminhada da Família”, quando todos saem de um ponto da cidade e seguem para a paróquia onde terá a Missa. É um momento de integração entre os missionários e a comunidade local. Após a Missa há um evento para todos.

capaSeguindo o pedido do Papa

“Prefiro uma Igreja acidentada, ferida e enlameada por ter saído pelas estradas a uma Igreja enferma pelo fechamento e a comodidade de se agarrar às próprias seguranças”, diz o Papa Francisco na Exortação Apostólica Evangelii Gaudium. É nisso que acreditam as famílias e jovens do Movimento de Schoenstatt que saem às ruas missionar.

Durante a audiência com os schoenstattianos, na festa do centenário da Aliança de Amor, o Papa responde a uma questão sobre a família: “O apoio pastoral tem que ser pessoal, ‘corpo a corpo’. Acompanhar, e isto significa perder tempo”. Em 2015 os casais e filhos seguem esse conselho do Santo Padre já no começo do ano. Inspirados pelo lema da Obra no Brasil – “Contigo Pai, Família em Aliança: santidade e missão” – vão ao mundo, ‘corpo a corpo’, levar a alegria do evangelho, levar Maria de casa em casa, para que ela conduza as famílias a seu Filho Jesus.