Enviados ao novo tempo, um tempo de missão

25 de fevereiro de 2016

Abertura do ano no Santuário Tabor da Confiança Vitoriosa no Pai.

vila marianaIr. M. Inácia Bett / Karen Bueno – A abertura do ano é sempre um momento muito esperado por todos, uma oportunidade em que a Família se encontra e se abastece espiritualmente para o ano todo. Por isso, com grande expectativa, a Família de Schoenstatt do Santuário da Vila Mariana, no coração de São Paulo/SP, prepara esse dia de graças no domingo, 21 de fevereiro.

O início é marcado para as 14 horas, mas antes, porém, do horário marcado, já chegam vários grupos do Movimento Apostólico de Schoenstatt e da Campanha da Mãe Peregrina das cinco Regiões Episcopais da Arquidiocese de São Paulo/SP. Chegam também representantes das demais Dioceses ligadas ao Santuário da Vila Mariana, como: Campo Limpo, Santo Amaro, São Miguel Paulista, Santo André e Osasco.

As expectativas são superadas com o grande número de participantes. Cada ramo do Movimento recebe uma incumbência para esse encontro e desempenha com muita alegria e criatividade. Com pequenos clips de vídeo, no início acontece uma breve retrospectiva dos principais acontecimentos da Família, frutos do jubileu centenário de Schoenstatt.

Na chegada os participantes recebem o símbolo de uma pegada de papel, na qual podem escrever e depositar na Talha, como contribuição ao Capital de Graças, o seu compromisso de evangelização para este ano em que são chamados a viver o lema: Contigo Pai, Família em Aliança: Santidade e Missão!

Para aprofundar a vivência do Ano Santo, Ir. M. Nilza Pereira da Silva apresenta uma palestra sobre a misericórdia, impulsionando todos a serem misericordiosos como o Pai, vivendo o “Schoenstatt em Saída”. O conteúdo quer esclarecer e motivar a vivência do jubileu extraordinário, tornando-o prático na vida diária.

No final da tarde, a Santa Missa encerra o encontro e reúne a Família em comunidade. A celebração é presidida por Pe. Pedro Kuniharu Iwashita, sacerdote da Arquidiocese de São Paulo/SP. Providencialmente as leituras referem-se à Transfiguração de Jesus no Tabor. Na homilia o sacerdote incentiva a Família de Schoenstatt a fazer como os Apóstolos que, depois de contemplar o milagre da transfiguração, descem do Tabor para evangelizar.

No final da Missa todos são enviados pela Mãe de Deus em missão e respondem com voz vibrante e firme: “Eis-nos aqui, envia-nos!”

Fazendo analogia à abobreira, que só produz frutos se permanecer ligada à raiz mestra, cada um recebe sementes de abóbora para levar de recordação e incentivo. A lição singela vem do Diác. João Luiz Pozzobon, que dizia que, a exemplo da abóbora, os corações devem estar profundamente vinculados ao Santuário, à Mãe de Deus e ao Fundador, para que produzam muitos frutos de missão e de misericórdia.

Assim, em clima familiar e determinados a ser Schoenstatt em saída, todos partem empolgados e ainda mais convictos da responsabilidade diante dos grandes desafios da hora presente.