Em saída: Encontro de equipes diocesanas da Campanha

29 de fevereiro de 2016

“A Mãe e o mundo: Na doação a vida se fortalece”.

dioceses mpKaren Bueno – As palavras para esse novo ano são ‘misericórdia’ e ‘missão’ na Campanha da Mãe Peregrina de Schoenstatt (CMPS). Neste final de semana, de 26 a 28 de fevereiro, as equipes de coordenação diocesana da Campanha se reúnem no Santuário de Atibaia/SP para abrir as atividades e conhecer as correntes de vida da Igreja e de Schoenstatt no ano de 2016.

191 pessoas, vindas de 47 dioceses, enchem o auditório Pe. José Kentenich. São coordenadores diocesanos, padres assistentes eclesiásticos e Irmãs de Maria assessoras, representantes de cinco estados brasileiros, que recebem o impulso para o ano. “O encontro é muito produtivo, com ele eu levo o Santuário para a Diocese com mais amor ainda”, diz Glicéria Potrich, a nova coordenadora da Diocese de Dourados/MS.

Passos missionários

A abertura do encontro começa na sexta-feira a noite, com uma retrospectiva do ano passado, contemplando os frutos da corrente de coroação da Mãe Peregrina. Para esse momento, cada diocese leva um símbolo concreto que expressa o ano de trabalho, oferecendo tudo diante da Mãe no Santuário. Algo marcante dessa noite, ainda, é a passagem dos coordenadores pela Porta Santa, representando um novo recomeço para a missão.

O sábado inicia com uma meditação sobre a misericórdia, com os representantes da Arquidiocese de Londrina/PR encenando o evangelho do Filho Pródigo, aplicando-o, de maneira prática, à vida dos coordenadores da Campanha.

A primeira palestra é aplicada por Pe. Everton Moraes, da Arquidiocese de São Paulo/SP, que fala das obras de misericórdia na vida do coordenador da Mãe Peregrina. Para isso, ele se baseia no evangelho e na vida de São Mateus, mostrando como a misericórdia foi fundamental para o apóstolo, que “antes era Levi e depois se tornou um dom de Deus para o seu tempo, assim como cada coordenador deve ser”.

coordenadores cmp

À tarde os representantes são convocados ao trabalho. “Todos que estão aqui têm a responsabilidade de nos ajudar a pensar no futuro da Campanha, num trabalho estratégico para esse ano”, diz Ir. M. Franciane Castelani. O trabalho em grupo apresenta as ações urgentes de evangelização que a CNBB aponta em seu texto (Diretrizes Gerais para a ação evangelizadora da Igreja no Brasil). São vários tópicos e os coordenadores devem elencar seis deles que podem ser respondidos por meio da CMPS, de maneira bem prática.

Para chegar às respostas, os grupos de trabalho estudam alguns banners com dados sobre a Campanha em cada diocese, com números e informações estatísticas. Assim, definem que podem colaborar com a Igreja por meio desses tópicos:

– Formação permanente dos coordenadores e missionários
– Vinculação ao Santuário
– Investir na Campanha Infanto-juvenil e Jovem
– Investir no trabalho com a Juventude Apostólica de Schoenstatt (Jumas e Jufem) e maior integração com o Movimento de Schoenstatt organizado (os ramos e comunidades)
– Maior integração entre as diversas modalidades da Campanha
– Investir nos meios de comunicação (por exemplo, em aplicativos para um trabalho com adolescentes e jovens).

A noite segue com uma vivência e a exibição do filme ‘Semente de um mundo novo’, também com a caminhada ao Santuário, levando as intenções propostas pelos coordenadores. O sábado se encerra com a adoração eucarística e bênção do santíssimo.

Em família

O domingo começa com a Santa Missa e uma animação no auditório. Depois é a vez da assessora regional, Ir. M. Doralice de Souza, apresentar uma motivação para os coordenadores, com o tema “João Pozzobon, um autêntico missionário schoenstattiano em saída”. Em suas palavras ela destaca três aspectos do Diác. Pozzobon:

I. Seu interesse: a Mãe e o mundo, pois todo missionário não pensa em si mesmo, mas olha para frente, para fora, e em tudo vê a missão;
II. Sua visão: um tempo mariano, realista e pleno de esperança; nisso ele toma para si a missão de Schoenstatt, do Pai e Fundador, em constante saída.
III. Seu perfil: alegria em evangelizar com a Mãe Peregrina, sempre motivando e sendo suporte para a missão.

Após a palestra segue outro trabalho em grupo, agora reunindo as equipes diocesanas para planejar estratégias de ação pastoral com a Mãe Peregrina em sua própria diocese. Disso saem muitos passos concretos, de acordo com cada local.

O encontro encerra-se com o envio missionário, marcando o começo de um novo tempo de missão. “Para nós foi muito enriquecedor. Abriu os nossos olhos para novos horizontes, para mudanças. Um encontro de dioceses, que têm pensamentos e momentos diferentes, nos ajuda a aprender não só com as Irmãs de Maria, mas com os outros coordenadores, então esse encontro é muito valioso”, comenta o casal coordenador da Diocese de Assis/SP, Elisabete Nunes e Lupércio Ferreira. “Levamos a troca de experiências, o ardor, a renovação e a formação, que são muito necessários. Com esse encontro a gente não se sente só em nossa diocese, sabemos que estamos com uma família integrada, ligados ao Santuário”.