Em breve um novo Padre de Schoenstatt é ordenado

30 de setembro de 2015

Contagem regressiva, rezemos pelo Júlio.

julio

Ordenação diaconal no Chile

Nikolas Oliveira Garcia/Karen Bueno – Depois de quase dez anos de formação e muito trabalho, falta pouco, apenas alguns dias, para a tão esperada ordenação sacerdotal do Diácono Júlio Fabiano Rodrigues Afonso, do Instituto Secular dos Padres de Schoenstatt. A ocasião é de muita alegria e gratidão para todo o Movimento Apostólico por essa vocação que se consagra no seio da Família de Schoenstatt.

Em Atibaia/SP, sua cidade natal, a Paróquia a qual pertenceu desde a infância – São João Batista – se prepara para a solenidade com um tríduo, e no dia 10 de outubro, às 10 horas, receberá membros da comunidade e da Família de Schoenstatt de São Paulo e de outros estados para a ordenação sacerdotal.

“O coração bate forte, estou muito feliz. Tenho um sentimento constante de agradecimento por todos esses anos de formação Também estou muito animado com respeito às novidades: o diaconato e o serviço na paróquia que fui designado para estar agora, no Jaraguá, em São Paulo/SP[1]”, conta o futuro sacerdote.

Quem é o Júlio?

Júlio Fabiano nasceu em Atibaia no dia 11 de maio de 1979, e é o mais novo de três irmãos, filhos de Emília e Júlio Afonso. O primeiro contato do diácono com o Santuário de Schoenstatt ocorreu enquanto estava ainda na catequese, porém somente alguns anos mais tarde, aos 13 anos, ele pode de fato ingressar no Movimento, quando começou o primeiro grupo dos Pioneiros de Schoenstatt na cidade.

O período em que participou da Juventude Masculina de Schoenstatt (Jumas) foi marcado por diversos encontros, acampamentos e atividades, assim como por seu interesse pela música – tocar violão e cantar. Por essa razão, Júlio dava aulas de violão antes de ingressar na universidade, e esse interesse se estende até hoje, sendo que compôs algumas canções bem conhecidas no Jumas e no Movimento. Na Unicamp se graduou em Tecnologia da Informação com muito estudo, monitoria de aulas, experiências laborais e discernimento vocacional.

Por fim no ano de 2005 decidiu ingressar no Postulado dos Padres de Schoenstatt e, no ano seguinte, ingressou no noviciado Ibero-americano em Tuparenda/Paraguai. Com seus irmãos, formou o curso Dilectio Patris Vivens ex Sion, que significa “Amor Vivo do Pai desde Sião”.

Em 2007 Júlio realizou seu estágio de noviciado no Centro Providencia em Montevidéu/Uruguai, e em 2008 continuou os estudos no Colégio Maior Padre José Kentenich, no Chile. Nesse período começou os estudos de Filosofia e Teologia na PUC de Santiago, e pode colaborar com a Juventude Masculina junto ao Santuário de Nuevo Belén.

No ano de 2010, no mês de agosto, o seminarista chegou ao Santuário do Jaraguá, em São Paulo/SP, para realizar seu estágio pedagógico-pastoral com o Jumas do Regional Sudeste. Em 2012 iniciou o Terciado em Schoenstatt e alguns estudos mais profundos sobre o Fundador e sua Obra em Florencio Varella/ Argentina. No segundo semestre de 2012 retornou a Santiago, no Chile, para terminar os estudos de Teologia, realizando um apostolado com os enfermos do Hospital Sótero del Río.

Em 2014, no ano jubilar do centenário da Aliança de Amor, Júlio Fabiano fez uma experiência de inserção morando em uma comunidade carente na região metropolitana de Santiago, chamada Puente Alto, acompanhado por outros três irmãos de curso. Aí realizou diversas atividades no bairro e na capela El Señor de la Misericordia.

Em março de 2015 recebeu o título de Teólogo pela PUC de Santiago, e no dia 25 de abril, foi ordenado diácono no Santuário de Bellavista/Chile por Dom Pedro Ossandón Buljevic, bispo auxiliar de Santiago. Atualmente, realiza seu trabalho apostólico na paróquia Nossa Senhora da Conceição, no bairro de Jaraguá, em São Paulo/SP, onde continuará atuando depois da ordenação sacerdotal.

Rezemos juntos

Júlio faz um pedido para esse momento mais que especial de sua vida: “Rezem por mim para que Deus e a MTA me façam um padre feliz, para ter um coração sacerdotal mais parecido ao de Jesus e para estar sempre em conversão – porque essa é uma tarefa para toda a vida. E rezem para que muitos jovens abram os ouvidos e o coração para escutar o chamado de Deus. No Brasil precisamos de mais Padres de Schoenstatt. Faz tempo que não temos um novo padre de Schoenstatt para o Brasil (sete anos). Vocês rezam comigo nessa intenção?[2]”.

[1] Entrevista concedida à revista Tabor em Páginas, nº 93, por Pauline Almeida.
[2] Idem.