Ela acompanhou a Peregrina Original em Schoenstatt

8 de maio de 2015

E conta como foi essa experiência incrível.

peregrina-originalKaren Bueno/Ir. M. Nilza P. da Silva – Durante a celebração do centenário da Aliança de Amor em Schoenstatt, Ir. M. Marisa Meister teve uma tarefa muito especial, um privilégio, pode-se dizer, da qual guarda doces lembranças. Ela foi responsável por acompanhar a Mãe Peregrina Original, como sua guardiã, durante toda a comemoração jubilar. A tão amada Peregrina Original, antes dessa viagem, percorreu vários estados do Brasil, levando consigo as expectativas, angústias e esperanças de nosso povo. Sim, é ela: a mesma imagem que o Diác. João Luiz Pozzobon levou por mais de 140 mil quilômetros, com quem mantinha um relacionamento de amor muito filial. “Eu lhe disse: ‘Mãe, o João Pozzobon dizia que era seu burrinho, mas agora a Senhora tem a mim, eu serei o seu burrinho’”, conta sorrindo a Irmã de Maria.

Ir. M. Marisa não esperava ter essa oportunidade: “Fiquei muito surpresa com o pedido da superiora, porque eu não estava mais atuando com a Campanha da Mãe Peregrina (ela atuou durantes muitos na Campanha da Mãe Peregrina de Schoenstatt – CMPS –  no Regional Nordeste). Eu fiquei pasma, sem palavras, na hora não consegui responder, porque não assimilei direito e custei a assimilar que realmente tinha que assumir esse compromisso”.

A tarefa de ser o “Pozzobon do centenário” não é fácil, exige muitas contribuições ao Capital de Graças. É preciso pensar em toda uma infraestrutura para levar a imagem do Brasil à Alemanha, incluindo a forma de transporte, de  modo digno e seguro, e alguns documentos especiais, para que a Peregrina possa sair e chegar em cada país.

A Mãe tinha pressa para chegar a Schoenstatt

Depois de alguns transtornos no aeroporto, a Mãe Peregrina finalmente chega a Schoenstatt, ao lar original, e ali tudo corre muito bem. Como diz Ir. M. Marisa, “a Mãe tinha pressa de chegar a Schoenstatt”. A Irmã recorda a emoção dos alemães ao se encontrar pela primeira vez na vida (e talvez única) com esta imagem tão histórica e abençoada: “Quando nós chegamos no Secretariado (em Schoenstatt) e abrimos a caixa, os alemães que estavam junto choravam emocionados. Depois de montar a imagem, nós descemos para a capela da faculdade dos Padres Palotinos e rezamos o primeiro terço em gratidão por tudo ter dado certo”.

peregrina-original

O programa da grande Missionária

Durante o jubileu, a Mãe Peregrina Original ficava exposta na tenda temática que falava sobre a atuação de Schoenstatt na Igreja, montada na Capela do Instituto Superior dos Palotinos. Tudo providencial, pois é justamente nesta capela que aconteciam os primeiros encontros do Pe. Kentenich com os seminaristas. Era a Peregrina Original no lugar de primeira origem de todo o Movimento  de Schoenstatt. Nesse lugar, por meio de painéis, as pessoas percorriam rapidamente a história da vida de Pozzobon e a expansão da CMPS.

No começo da noite, a imagem ia para a Praça dos Peregrinos, ao lado do Santuário Original, para que todos que estivessem ali para algum evento, pudessem encontrá-la. O cuidado com tão grande relíquia é grande nesses dois lugares, ela estava sempre acompanhada: “A Mãe ficava num lugar, arrumado com flores, e as pessoas podiam se aproximar dela. Havia uma escala de ‘guardas’ que ficavam protegendo a imagem e ao mesmo tempo acolhendo as pessoas que iam visitá-la”.

Durante o dia, os voluntários recitavam o terço de acordo com seu idioma – em português, espanhol ou alemão. E explicavam para os grupos que chegavam, de diferentes países, de que se tratava a Imagem Original. Percebia-se que as pessoas quase não acreditavam que estavam diante dessa imagem de tanta importância para a Obra de Schoenstatt. “As pessoas da América Latina choravam, colocavam a mão e beijavam a moldura da Mãe. Os europeus eram mais contidos, mas estavam visivelmente sensibilizados, emocionados. Muitos Padres de Schoenstatt, de diversos países, chegavam para rezar próximos à Mãe Peregrina”, recorda Ir. M. Marisa Meister.

O encontro com a imagem de João Luiz Pozzobon dá novo impulso para os missionários da Campanha: “As pessoas colocavam suas imagens Peregrinas junto com a Mãe Peregrina Original e tiravam muitas fotos. Havia três Imagens Auxiliares, de outros países, que também foram colocadas juntas”.

A Mãe Peregrina participou, num lugar de destaque, de todos os eventos centrais das celebrações do centenário. Ela estava no palco central, onde tudo acontecia e “No momento da renovação da Aliança de Amor, a Mãe Peregrina estava sobre o altar do Santuário Original. João Pozzobon devia estar muito alegre de ver onde a imagem estava nesse momento tão precioso”.

Em Roma, ela recebe o carinho e as flores do Papa Francisco

De Schoenstatt, a Peregrina Original parte para Roma, de ônibus, com um grupo de schoenstattianos europeus – neste ônibus também vai a imagem Peregrina Auxiliar da Europa. Durante o trajeto, que cruza a Suíça, “Quando nós chegávamos aos Santuários, havia sempre uma equipe para acolher a Peregrina Original. Os europeus faziam uma oração e explicavam para as pessoas o que estava acontecendo, isto é, que essa imagem era especial. A Mãe era esperada sempre com muita ansiedade”, diz Ir. M. Marisa.

papa-peregrina-original

“Quando nós chegamos a Roma, na caminhada, organizada pela juventude, eles levavam a Mãe. Era uma vibração imensa! A imagem caminhava ao lado das tochas acesas, até a Praça de São Pedro, onde houve um momento com a Família de Schoenstatt”. Esse foi o primeiro “evento oficial”, da celebração jubilar em Roma.

No dia 25 de outubro, chega a tão esperada audiência com o Papa Francisco. Os guardas suíços estão cientes de que esta é uma imagem especial e ela tem passagem livre para todos os lados: “Nós não tivemos problemas para entrar no Vaticano, chegamos bem cedo e tínhamos um passaporte livre para passar pela segurança”. A Peregrina Original tem seu lugar de honra, à frente, da Sala Paulo VI. Ela recebe o carinho e as flores do Papa. Segundo Pe. Alexandre Awi, no momento em o Papa caminha em direção à Peregrina Original, ele que estava bem ao lado do Papa, recorda toda a caminhada da imagem pelo Brasil. Como um filme, tudo passa novamente pelo coração e ele considera essa hora, como uma das mais emocionante de toda a celebração. Ela que derramou tantas graças pelas cidades visitadas, que sofreu o acidente, está ali, com sua estampa repleta de ferimentos e é tocada pela mão do Papa, o representante de Cristo nesta terra.

Ir. M. Marisa faz um parêntese: “O Pe. Argemiro Ferraciolli, (postulador da causa de canonização do Diác. Pozzobon) levava consigo a primeira imagem desenvolvida por Pozzobon para visitar um grupo de 30 famílias, então eram duas imagens históricas que estavam na audiência”. Terminado o encontro com o Papa, a Grande Missionária participa, na Basílica de Santo André do Vale, da Santa Missa em Alemão.

De volta para o Brasil

Depois de vivenciar dias intensos e inesquecíveis, é hora de voltar para casa. Ao desembarcar em São Paulo, os seguranças exigem a documentação da Policia Federal. Um pequeno susto! Mas, a documentação estava em mãos e tudo foi resolvido. “As Irmãs estavam ansiosas pela nossa volta. Chegamos de manhã, então a Peregrina Original participou já da oração da manhã conosco. Agora eram as Irmãs brasileiras, como os latinos em Schoenstatt, que se aproximavam para tocá-la”, diz Ir. M. Marisa.

Alguns momentos fortes vêm à lembrança de Ir. M. Marisa Meister quando se recorda do jubileu: “Para mim, foi marcante ver a Mãe Peregrina no Santuário Original, na hora da renovação da Aliança. Consegui levar um documento assinado pelos schoenstattianos do Regional Sul e o encaixei dentro do grande rolo de assinaturas, que estava em Schoenstatt. Então, não era somente eu que estava lá, mas, representava todos aqueles que selaram a Aliança de Amor e tinham assinado o documento. Foi uma vivência”. Ela resume essa experiência: “Eu vejo que a Mãe me usou como instrumento. Foi um presente que ela me deu. Foi lindo! Uma experiência gratificante”.

  • Maria Ozani G F Alves

    Realmente Ir
    Marisa foi uma escolhida e eu tb me sinto uma escolhida pois estive com ela nesta Incrível e belíssima festa . Fiz parte deste fato historico junto com a peregrina original. Obrigada Mãe por me colocar como uma pequena Maria junto de vós.