Diário de um Peregrino: II Cruzada de Maria

14 de maio de 2015

Jumas conta como foi a Cruzada Missionária.

jumasThales Correia – Nos primeiros dias deste mês, de 1 a 3 de maio, a Juventude Masculina de Schoenstatt (Jumas) do regional Sudeste fez a sua II Cruzada Missionária, partindo do Santuário Tabor da Permanente Presença do Pai, em Atibaia/SP, até o Santuário Sião, no bairro do Jaraguá em São Paulo/SP.

Na madruga do dia 1º, cerca de 90 meninos das cidades de Atibaia/SP, Mairiporã/SP, Campinas/SP, Caieiras/SP, São Paulo/SP (Jaraguá e Vila Mariana), São Bernardo do Campo/SP, Araraquara/SP, Poços de Caldas/MG e São Sebastião do Paraíso/MG se encontraram à sombra do Santuário Tabor da Permanente Presença do Pai, para ali buscar forças e espiritualidade para mais uma “loucura” de amor, como oferta ao Capital de Graças. Irradiante como o fogo dos primeiros herois, nossa caminhada começa rumo à primeira parada, em Mairiporã/SP, seguindo por um percurso de 38 quilômetros de muito esforço e anseio de chegar logo.

Durante o trajeto, que tem uma duração de 8h e 30 minutos, temos o objetivo de missionar, sempre sorrindo, cantando músicas marianas e desejando um “bom dia!” – um simples gesto – a todos que encontramos pelo caminho. Nossa chegada em Mairiporã é algo emocionante: quando avistamos a Igreja Matriz, não há cansaço nem dor que nos impeça de correr o mais rápido possível, para chegar e ser recepcionado com muito carinho pela Família de Schoenstatt. Nossa chegada tem direito a faixa de boas vindas e bombas de papel picado e todos nos acolhem com muita atenção, servindo um almoço maravilhoso. Ao anoitecer, participamos da Santa Missa com toda a comunidade, onde novamente aproveitamos a ocasião para missionar, entregando para cada pessoa uma imagem da MTA.

Sempre em Família

Dormimos em Mairiporã, e já na madrugada do dia 2 nos colocamos a caminho, com destino a Caieiras/SP – dessa vez reina um clima de reflexão pessoal e reflexão sobre o mundo atual e suas questões. Neste ano, o Jumas Brasil lançou a campanha #RezoeBatalhoPeloBrasil, e é nesse espírito que decidimos andar toda a manhã com sacolas plásticas recolhendo o lixo que encontramos pelas ruas.

A chegada à cidade é mais uma vez emocionante, não há dor que pare esses herois. A Família de Schoenstatt de Caieiras/SP nos aguarda na porta do colégio onde ficaremos abrigados e nos recebe, literalmente, nos braços! Após o almoço, alguns meninos ainda têm disposição para jogar bola, e assim passam a tarde. Por volta das 18h 30min seguimos para a Capela São Francisco, onde participamos da Missa, depois seguimos para a casa de um casal da Liga de Família de Schoenstatt, para uma noite da pizza.

A doce Maria nos espera

Após a noite de descanso, começamos a caminhada até o bairro do Jaraguá em São Paulo/SP, para o Santuário Sião. Durante esse percurso, fica clara a consciência, entre todos do Jumas, de que devem ser os herois do novo século de Schoenstatt. Com acúmulo de desgaste, o terceiro dia é bem difícil; andamos os 17 km com muita dificuldade.

Mais uma vez somos surpreendidos na chegada: a Família de Schoenstatt balança bandeirinhas e nos saúda com alegria. Já dentro do Santuário, compreendemos perfeitamente o porquê de andarmos tanto, o porquê de exigirmos nosso máximo, o porquê de fazer tudo isso: A doce Maria nos recebe, com sorriso e alegria, e faz o mesmo que faz com Jesus, nos pega no colo e faz arder em nossos corações a chama que ardeu no coração dos primeiros herois.

Participamos da Missa aberta do Santuário com os pés cansados, mas com o coração fortalecido por esta experiência de encontro com a MTA e com toda a Juventude Masculina de Schoenstatt. De Santuário a Santuário caminhamos, fomos peregrinos e testemunhas durante esses três dias de que esta é a Geração Missionária, esta é a geração que luta para ser a heroína deste novo tempo de Schoenstatt.