Coroamos-te porque és Rainha!

12 de julho de 2016

Encontro da Campanha na Diocese de Caruaru/PE.

coroaçao bispoIr. M. Patrícia Santos – O domingo, 3 de julho, foi um dia rico em muitas graças para a Diocese de Caruaru/PE. Cerca de 3 mil pessoas, entre coordenadores, missionários e famílias participaram do Encontro Diocesano da Campanha da Mãe Peregrina de Schoenstatt (CMPS), que neste ano aconteceu na bela cidade de Gravatá/PE. A comunidade religiosa das Filhas de Maria Auxiliadora cedeu generosamente a quadra Dom Bosco, de seu Colégio, o Instituto Nossa Senhora de Lourdes, para a realização do evento.

Às 9 horas aconteceu a acolhida dos participantes com as bandeiras de suas comunidades e, em seguida, a palestra com Ir. M. Patrícia Santos sobre o tema: “Salve, Rainha, Mãe de Misericórdia”. À tarde houve espaço para a apresentação dos dois ramos da Liga Apostólica de Schoenstatt presentes na Diocese: A Liga de Famílias e a Liga das Mães de Schoenstatt e ainda um forte impulso vocacional do Pe. Luiz Antônio Silva, assistente eclesiástico da CMPS, para que dessas famílias, tão religiosas, surjam muitas vocações para o sacerdócio e a comunidade das Irmãs de Maria de Schoenstatt. Com isso, abriu uma porta para encontros vocacionais não apenas em sua paróquia, mas em toda a Diocese de Caruaru/PE.

Às 15 horas aconteceu a Santa Missa em ação de graças, transmitida nas redes sociais para todos os internautas e devotos da Mãe e Rainha que não puderam comparecer. Dom Bernardino Marchió, Bispo Diocesano, presidiu a celebração e demonstrou seu real afeto pelo Movimento Apostólico de Schoenstatt, cuja espiritualidade sólida “é um presente para a Igreja”. Ao final da celebração ele mesmo rezou a oração de coroação e coroou uma imagem Peregrina, momento no qual todos os missionários também coroaram, já que este símbolo foi o marco de uma história de 25 anos da presença da MTA nessa Diocese.

Dom Dino, como é carinhosamente chamado por todos, celebrou 25 anos de episcopado e, nesse dia, foi amplamente homenageado pelos presentes. Ao ser saudado pelo Pe. Luiz Antonio, este lhe disse que “aceitasse as rosas como símbolo de nossa gratidão e como expressão de que Schoenstatt é um grande jardim de Deus em nossa Igreja e que a capelinha que acompanha as flores é para que ele a coloque em seu quarto particular”.

Fonte: tabormta.org