Começam as Missões Familiares 2016

6 de fevereiro de 2016

Tempo de saída.

missoesKaren Bueno – Carnaval e missão combinam, é isso que provam os sete anos de Missões Familiares no Brasil. A cada ano que passa mais e mais missionários se lançam ao desafio de levar Cristo e Maria aos lares, testemunhando a alegria de ser um filho muito amado. Em 2016 mais uma vez a Família de Schoenstatt toma as ruas e parte para transmitir o amor e a misericórdia de Deus a muitos corações.

Duas cidades do regional Paraná recebem as Missões Familiares neste ano: Londrina/PR e Balsa Nova/PR. “O Ano da Misericórdia faz-se muito prático em uma missão, pois conseguimos realizar tanto as obras de misericórdia espirituais como as corporais. Visitando as casas, encontramos muitas realidades que necessitam desse amor misericordioso do Pai”, afirma o casal reitor em Londrina, Anaísa e Mateus Carvalho.

Serão 82 missionários que saem às ruas em Londrina, no Jardim Marabá. O grupo é dividido em duas comunidades, uma no Centro Educacional Infantil Marabá – creche que é cuidada pelas Irmãs de Maria – e outra no colégio municipal do bairro. O tema é a Misericórdia de Cristo, recordando também os 50 anos do fim do exílio do Pai Fundador, Pe. José Kentenich.

A cidade de Balsa Nova fica na região metropolitana de Curitiba/PR e recebe os missionários vinculados ao Santuário Tabor Magnificat. Seu lema é “Família Missionária, anuncia a misericórdia do Pai!”. A concentração será na Igreja Matriz e comunidades Santo Antônio e Bugre. São casais, famílias, crianças, jovens, adultos, que juntos formam uma só família, uma comunidade de amor.

Responsabilidade social

missoes

A intenção dos missionários em Londrina é limpar e reformar uma praça e o parquinho interno da creche, caso o tempo esteja favorável, sem chuva. O objetivo deste ano vai além de tocar corações e transmitir o Querigma (primeiro anuncio do Evangelho), todos querem deixar uma marca visível, muito clara de como a misericórdia pode transformar vidas e ambientes.

“Esperamos, com essas missões, poder alcançar os corações, principalmente daqueles que estão longe de Cristo. Também é um momento de aumentar a nossa própria fé, nos sentimos mais próximos de Jesus ao levarmos o seu amor, sempre acompanhado por nossa Mãezinha, pois é ela quem abre as portas para apresentá-lo ao mundo!”, diz Anaísa.

Dia a dia

As Missões em Schoenstatt seguem uma estrutura pré-determinada. As comunidades são formadas de acordo com a quantidade de pessoas, cada comunidade é composta por famílias missionárias, previamente organizadas pelos reitores e pelo assessor. Os casais missionários recebem de 2 a 4 jovens (1 ou 2 meninas e 1 ou 2 meninos) como filhos de missão, além dos filhos biológicos que muitas vezes acompanham os pais. E assim se forma a família missionária, que passa a ser chamada pelo sobrenome do pai, a título de vinculação entre todos.

A rotina missionária começa cedo, com a oração da manhã. No período matutino, os missionários têm quatro horas de visita às casas, seja de quem for – quanto mais casas puderem atingir, melhor. O período da tarde fica reservado para organização, limpeza e para preparar as oficinas. No começo da noite dão oficinas para as crianças, os jovens e os adultos, separadamente, com temas diferentes a cada dia. Logo em seguida há a reza do Terço e a Santa Missa.

Rezemos pelos missionários

“O apoio pastoral tem que ser pessoal, ‘corpo a corpo’. Acompanhar, e isto significa perder tempo”, diz o Papa Francisco. A Família de Schoenstatt ouve suas palavras e dedica tempo, disposição e empenho missionário. Inspirados pelo lema da Obra no Brasil – “Contigo Pai, Família em Aliança: santidade e missão” – vai ao mundo, ‘corpo a corpo’, levar a alegria do evangelho, levar Maria de casa em casa, para que ela conduza as famílias a seu Filho Jesus. Rezemos pelos missionários, para que permaneçam fiéis e possam alcançar e tocar muitas vidas e histórias.