Atibaia: 350 anos de fundação com as graças da MTA

17 de maio de 2015

A cidade onde ela escolheu habitar.

atibaia-monumento 2Karen Bueno – É tradição na cidade de Atibaia/SP começar as festividades de aniversário do município com uma Santa Missa em honra à Mãe e Rainha de Schoenstatt. Autoridades locais, a Família de Schoenstatt e pessoas das oito paróquias se reúnem para agradecer pelo ano que passou e pedir as graças da Mãe pelo próximo ano que inicia numa Ermida que há próximo ao centro da cidade.

Em 2015, a celebração acontece neste sábado, 16 de maio, e é preparada ainda com mais carinho e cuidado, afinal, a cidade paulista completa 350 anos de fundação. Maria da Graça Oliveira, coordenadora da Campanha da Mãe Peregrina de Schoenstatt (CMPS) em Atibaia/SP, diz que “essa Missa é celebrada para abençoar a cidade, um município que foi escolhido pela MTA para habitar”, referindo-se ao Santuário Tabor da Permanente Presença do Pai.

Um lugar de encontro com a MTA

Se Atibaia já tem um Santuário, por que construir uma Ermida? Nilza e Juarez Camargo eram os coordenadores da CMPS quando o monumento foi inaugurado, e explicam: “Essa Ermida foi uma inspiração da Mãe de Deus. Em 2002 surgiu uma corrente de consagração da cidade à Mãe e Rainha e, como marco, o prefeito da época cedeu esse espaço para erguer um monumento em homenagem à MTA”. Outro fator que contribuiu para a construção dessa Ermida é a distância do Santuário, que fica afastado do centro, então ela é uma forma de vincular as pessoas ao Santuário.

O local do monumento é num parque municipal, na subida de alguns bairros para o centro da cidade. “É um lugar estratégico, porque é passagem de várias pessoas”, diz Juarez. E como toda Ermida da MTA, é preciso que haja vida ao redor, por isso todos os meses, no primeiro sábado do mês, a Família de Schoenstatt se reúne para rezar o terço ali, logo pela manhã.

Dia de festejar

Pessoas de diversos bairros chegam e somam-se à multidão – difícil de ser calculada, por se dividir em espaços dispersos. No palco central, Pe. Alex Oliveira preside a Santa Missa, que inicia com a entrada das bandeiras do Brasil, de São Paulo, da Igreja, de Schoenstatt, e do centenário da Aliança de Amor. Em seguida segue a procissão com a Peregrina Auxiliar e as imagens que visitam as famílias.

Na homilia, o celebrante reflete sobre a ascensão de Jesus, celebrada neste domingo. “Quando Jesus sobe ao céu, ele já revelou-nos tudo, não há nada mais a ser revelado. Ele mostra o rosto de misericórdia de Deus, um rosto que apresenta alternativas para se fugir do sofrimento humano. Não há sensação mais linda que sentir-se amado; somente quem ama a si próprio e aos outros pode sentir a misericórdia de Deus”.

Pe. Alex fala ainda do envio dos apóstolos, um imperativo de Jesus para que saiam em missão. “O veneno do relativismo deixa-nos anestesiados sobre as questões sociais do mundo. Perdemos a sensibilidade de entender que somos todos irmãos. A ascensão de Jesus não é uma partida definitiva que nos deixa órfãos, mas é um novo impulso, dá-nos ânimo para cumprir o ‘ide’ que o Senhor nos pede para colaborar em sua missão”.

Onde se experimente o Tabor

No ofertório são levados ao altar objetos que representam a cidade. O prefeito e a esposa levam uma chave simbólica, como se fosse a chave da cidade, recordando que Atibaia é uma terra consagrada à Maria; ela também representa a chave dos corações de todos os habitantes. As flores e os morangos – símbolos da cidade – expressam a alegria e gratidão e o fruto do trabalho de todos os moradores. Também entra uma jarra com água, recordando o nome do munícipio – a palavra indígena significa “água boa ao paladar”. A entrada do pão e do vinho, como sinal da vocação cristã de filhos de Deus, encerra a procissão das ofertas.

A consagração da Eucaristia é um momento de profundo silencio, ao fundo escuta-se somente o som da água que jorra da fonte – e assim Jesus se faz pão e se entrega à família cristã reunida.

No final da celebração, o prefeito Saulo Pedroso expressa sua gratidão pelos 350 anos de Atibaia. “É um momento histórico e simbólico. Vivemos um ano difícil para o Brasil, então rezamos para que possamos atravessar bem esse período”, e cita o povo acolhedor que há na cidade.

O desejo de toda Família de Schoenstatt é que esta Ermida da Mãe e Rainha se torne cada vez mais um Tabor; apesar de singelo, como a gruta de Belém, que seja um lugar onde todos possam dizer: “Aqui é bom estar”. Assim, terminam a celebração renovando a consagração do município aos cuidados da Mãe Três Vezes Admirável, a Rainha que escolheu Atibaia por lar.

  • Neyde Oliveira

    Que maravilha esta devoção a nossa Mãe e Rainha de Schoenstatt, em Atibaia nestes 350 anos.

  • Lúcia M Muniz

    Que bonito! Que a Mãe continue derramando muitas bênçãos na cidade de Atibaia.