As Irmãs Adoradoras rezam por suas intenções

21 de novembro de 2015

Rezam por Schoenstatt, pela Igreja, pelo mundo.

eucaristiaKaren Bueno – Na festa da Apresentação de Nossa Senhora no Templo, 21 de novembro, a Igreja celebra também o dia da vida contemplativa. O apostolado orante dos adoradores – daqueles que passam muitas horas do dia rezando – é essencial para a vida da Igreja, pois dá sustentação para seus trabalhos missionários.

Em Schoenstatt, o Instituto Secular das Irmãs de Maria tem uma comunidade interna de Adoradoras que se dedicam à vida contemplativa, fomentando o trabalho apostólico da Obra. São cinco Irmãs de Maria no Brasil que se empenham garantindo uma vida de oração fecunda para toda a Obra.

As primeiras vocações específicas para adoração neste Instituto despertaram-se no Brasil em 18 de outubro de 1964, no Jubileu de 50 anos da fundação de Schoenstatt. Nesse dia foi instituída a primeira Filial de Adoração no país, em Santa Maria/RS, como dádiva da Província Tabor pelo ano jubilar e prece pela complexa situação política do país e do Fundador no Exílio. A fundação foi também uma resposta ao pedido do Pai e Fundador de que do Santuário Tabor emanassem duas correntes: uma Eucarística e uma Mariana, o que se constata hoje pelo circulo de adoradores e pela Campanha da Mãe Peregrina.

Como parte da vida contemplativa, as Irmãs de Maria Adoradoras não passam todas as horas de seu dia rezando, elas têm ainda muitos outros trabalhos apostólicos por fazer. Um dos principais serviços é acompanhar a Comunidade de Oração, ou Círculo Externo de Adoração, que no Brasil somam-se em cerca de 20.700 pessoas cadastradas (clique para conhecer e participar).

A vida contemplativa traz um novo colorido para a Obra de Schoenstatt, uma bela e significativa contribuição que é explicada melhor por Ir. M. Nelma Wickert e Ir. M. Doracy Iachitzki, Adoradoras da Província Tabor, em Santa Maria/RS:

Como surgiu no Instituto das Irmãs essa “comunidade interna” das Adoradoras?
Em Schoenstatt tudo o que existe, surgiu do reconhecimento de nosso Pai e Fundador como sendo a vontade de Deus Pai. Sabemos que o Pai e Fundador vivia “com o ouvido no coração de Deus e a mão no pulso do tempo”, perscrutava a vida que brotava no coração de seus filhos espirituais. Assim também aconteceu no início da comunidade das Irmãs da Adoração. Desde o início existiu uma corrente de adoração em nosso Instituto. Esta foi amplamente sustentada pelo desejo de rezar em todas as intenções do nosso Movimento Apostólico. Na noite de Natal de 1929, o Pai e Fundador, correspondendo ao desejo de um grupo de Irmãs, abriu o sacrário do Santuário Original para a adoração perpétua.

Em 6 de janeiro de 1934 foram liberadas seis Irmãs para a guarda de honra, que durante o dia era feita no Santuário Original e à noite na capela da Casa Antiga. Assim a comunidade de Irmãs Adoradoras foi se desenvolvendo, continuamente, em direção ao seu objetivo e a partir de 1940 formou uma comunidade própria. Em setembro de 1975, as Irmãs da Adoração passaram a morar junto à Igreja de Adoração no Monte Schoenstatt formando ali um centro de interioridade.

Qual é o apostolado de uma Irmã de Maria Adoradora? O que ela faz?
Nós temos uma missão imensamente grande dentro de toda a Obra de Schoenstatt, na Igreja e especificamente junto ao nosso Instituto que muito necessita da oração para que seu apostolado seja fecundo. Somos chamadas a ser a força do amor, da oração e do sacrifício, mas igualmente do silêncio. A intercessão é o meio que Cristo nos incutiu, posso dizer, para que nós pudéssemos reconhecer a ação divina em nossa vida, em nossas obras e nos aproximarmos mais de Deus Pai. Deus sabe tudo e, na sua Providência Divina, nos conduz, mas nós temos a necessidade de suas graças, de auscultar sua vontade por meio da oração e pela oração e adoração, também de manifestar nossa confiança, a nossa fé.

Conte-nos um pouco de sua rotina…
Em nossa vida, no dia a dia, temos momentos de oração como comunidade e também individualmente. Além das orações prescritas do nosso Instituto, nós temos a Liturgia das Horas e horas de adoração ao Santíssimo Sacramento no Santuário. Temos também duas vezes por semana a adoração à noite. Trabalhamos e mantemos correspondência com o Círculo Externo de Adoração, que no Regional Sudeste é chamado de Comunidade de Oração. Somos Também chamadas a viver e irradiar alegria. Muitos pensam que rezar é algo aborrecente e tedioso. Ao contrário rezar desperta alegria, contentamento, pois Deus é Amor, é Alegria, é Paz.

Estar muitas horas com Jesus é um privilégio, assim sendo, qual é o critério para tornar-se Adoradora, qualquer Irmã pode ser?
Estar muitas horas com Jesus é realmente um privilégio, melhor é a graça que vem de Deus. É Ele que escolhe, chama, ama. Nós ouvimos e damos nossa resposta a esse chamado de amor. Verdade é que nem todos têm vocação para uma vida contemplativa. Portanto, o critério é ter vocação a uma vida de oração e contemplação.

Como conciliam a vida de oração e o trabalho prático?
Para conciliar a vida de oração e o trabalho prático para quem faz a opção é lógico que precisa de uma organização no horário. A comunidade tem um programa que assegura, mas deixa ainda muito tempo e uma grande margem para a livre decisão. Há que fazer uma generosa escolha ao Amor que nos amou primeiro.

Clique e conheça mais sobre o Instituto Secular das Irmãs de Maria de Schoenstatt