A Mãe merece milhares de quilômetros

21 de janeiro de 2015

Gente que parte de longe para visitá-la.

peregrinosKaren Bueno – Nesta manhã de quarta-feira, 21 de janeiro, ouvem-se cantos e orações no Santuário da Mãe e Rainha em Atibaia/SP. O interior e a volta da capelinha são tomados por dois grupos de peregrinos que chegam de muito longe. 41 pessoas de Lagarto/SE e 51 pessoas de Manaus/AM se encontram por acaso na casa da Mãe; aliás, acaso não, é a Providência Divina que reúne os filhos distantes, aqueles que fazem questão de saudar a Mãe.

“Sempre digo que nós temos que passar na casa da Mãe. Sentimos uma paz interior muito grande, uma paz que não vem do humano, vem da dela e do seu Filho”, comenta Maria do Carmo Santos de Araujo, responsável pelo grupo de Sergipe.

Pe. Ronaldo Araujo é o organizador da peregrinação de Manaus/AM. “O Santuário é um lugar bonito, é muito acolhedor, o ambiente em si já favorece minha experiência com Deus. Nos santuários marianos eu percebo sempre um lugar de paz, de calma, propício para oração”, afirma. Maria de Fátima Maroja gostou muito de visitar o centro de Schoenstatt, e diz que o roteiro preparado pelo padre foi perfeito.

O jovem seminarista Matheus Marques, também de Manaus/AM, conta que a Mãe e Rainha o acompanha em seu processo vocacional: “Os missionários da Campanha da Mãe Peregrina de Schoenstatt ‘apadrinharam’ minha vocação. A senhora que é minha ‘madrinha vocacional’ é coordenadora arquidiocesana e ela me consagrou à Mãe, no Santuário, na primeira vez que chegou em Atibaia”.

Em volta do Santuário, a imagem do Fundador de Schoenstatt, Pe. José Kentenich, chama a atenção. Cristina de Carvalho Pedrosa observa a estátua e faz perguntas a uma Irmã de Maria: “Quero conhecer melhor quem é o Fundador, saber como tudo começou”.

O grupo de Manaus viajou de avião até São Paulo, e de Atibaia/SP segue para Aparecida/SP, depois partem para o Rio de Janeiro/RJ. Os sergipanos enfrentaram milhares de quilômetros, já que foram de ônibus até Foz do Iguaçu/PR e para o estado de Santa Catarina; retornando, se hospedaram em Cachoeira Paulista/SP, na Canção Nova, e retornam para lá ainda hoje. Os milhares de quilômetros mostram o tamanho do amor dos filhos pela Mãe de Deus, que mesmo numa viajem tão longa fazem questão de dizer-lhe um “olá”.

Também de longe

No último final de semana, 84 peregrinos de Cuiabá/MT e Várzea Grande/MT se hospedaram na casa Schoenstatt-Tabor. Com eles estiveram 16 jovens com Síndrome de Down que fazem parte do Projeto Up Down. No dia da Aliança de Amor, os peregrinos apresentaram danças folclóricas “Tiriri”, típicas do estado do Mato Grosso, num momento muito animado, com a participação do público presente na santa Missa deste dia.

Acompanhe no vídeo: